quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Judaico-Cristão?


O uso do termo "moral judaico-cristã" é errado por três motivos:

1. MOTIVO TEOLÓGICO: Jesus Cristo cumpriu a antiga lei dos judeus, e sendo assim a velha aliança caducou para dar lugar a nova aliança, como diz São Paulo:

Hebreus 8:13: "Assim sendo, ao falar de nova aliança, tornou velha a primeira. Ora, o que se torna antigo e envelhece está prestes a desaparecer.”

Hebreus 8:8-9: "... realizarei com a casa de Israel e com a casa de Judá uma nova aliança. Não como a aliança que fiz com os pais deles..."

A nova aliança é com a Israel eterna [Pátria Celeste], da qual a antiga Israel, temporal e terrena, é apenas uma pré-figura. O Deus da antiga Israel era Deus-Pai, porque assim Ele se quis revelar; o Deus da nova Israel é também Deus-Filho e Deus-Espírito Santo. Os judeus que depois de Cristo continuam obstinadamente a praticar a antiga religião caduca rejeitam Deus-Filho, e todo aquele que nega o Deus-Filho por consequência nega o Deus-Pai, pois o Filho é consubstancial ao Pai.

1 João 2:22: “Quem é o mentiroso, senão o que nega que Jesus é o Cristo? Eis o Anticristo, o que nega o Pai e o Filho.”

A religião judaica, que nega que Jesus é o Cristo, é a religião do Anticristo. Então temos um problema teológico em associar a moral católica a essa tal moral "judaico-cristã", pois o antigo judaísmo caducou e o novo judaísmo é anti-cristão.

2. MOTIVO SEMÂNTICO: se tudo o que era moralmente bom da antiga religião dos hebreus foi incorporado ou absorvido pelo catolicismo (e não poderia ser diferente pois o catolicismo é a continuação natural do antigo judaísmo), então semanticamente também temos um problema, visto que moral "judaico-cristã" seria uma redundância. Tudo o que ensinaram os patriarcas e profetas se cumpriu em Nosso Senhor Jesus Cristo; basta então dizer moral cristã, ou melhor ainda, moral católica.

3. MOTIVO IDEOLÓGICO: Não é difícil perceber que esse termo é bastante usado pelas seitas protestantes judaizantes e por "católicos" neoconservadores que apoiam a ideologia sionista. No caso dos protestantes se pode esperar tudo, pois teologicamente são um saco de gatos. No caso de neoconservadores, deixaram de ser católicos quando trocaram o Catecismo pela mídia neocon norte-americana, o Papa pelo Benjamin Netanyahu e a Igreja pelo estado de Israel.

#Marcos Vinicius

Um comentário:

  1. Porque pelo o que entendi do teu texto você encara o hífen do "moral judaico-cristã" como sendo um aditivo: "moral judaico e cristã". Isto realmente não faz sentido. Inclusive, diga-se de passagem, o próprio termo "moral cristã" já não faz sentido se formos por esse caminho, visto que temos uma plêiade de morais cristãs nas milhares de denominações espalhadas pelo mundo.
    Eu vejo o termo "moral judaico-cristã" sendo usado quando vão se referir às bases da civilização ocidental. Aí faz todo o sentido. Porque entende-se "moral judaica ou cristã" visto que as nações que formaram a civilização ocidental se originaram de povos judeus e cristãos, sejam eles protestantes ou católicos. E a moral desses povos em última instância foram implementadas nos códigos civis, que são um misto das compreensões que nossos legisladores tiveram em cima dessa grande mistura cultural.

    Agora, de qualquer forma, se você quiser fatorar todas as morais judaicas e cristãs, acredito que chegará nos 10 mandamentos.

    ResponderExcluir


ATENÇÃO: Valorizo em demasia o aspecto artístico do texto, recorrendo com frequência a hipérboles e metáforas. Cuidado com interpretações literalistas, não me vá fazer nenhuma besteira!