sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Humanidade e Degeneração

Normalmente, quando lemos alguma análise de ficção na internet nosso autor se exibe como fosse um especialista. Conhece os detalhes da obra, todo o universo envolto, nos aponta os easter eggs e tudo o mais. Todavia, falta certa ingenuidade, sim a ingenuidade do espectador comum, que ao recorrer a uma obra de entretenimento não tem em sua retaguarda toda a preparação de anos de introdução e estudo no universo ficcional em questão, e no mais das vezes nem tem a paciência ou o interesse em adquirir tal “cultura inútil”.

É com base nesta “ingenuidade” de principiante que discorro neste texto a respeito de duas obras ficcionais, cujo único elo de ligação é o fato de eu as ter assistido no mesmo fim de semana.

Começo com Blade Runner 2049, um experiência estética alucinante e um roteiro interessantíssimo. O leitor sem dúvida esperaria uma comparação com o primeiro filme, produzido do século passado, mas na época em que assisti, não me encantou, e não fui além dos 20 minutos iniciais. De todo o modo, gostei muito deste novo filme, a trama de fundo nos mostra o drama existencialista a respeito dos replicantes: teriam tais seres algo como uma alma? Como o filme coloca sua origem na engenharia genética, para além de meras máquinas, tais criaturas seriam quimeras humanas, e de fato, possuiriam uma alma. No entanto, nem humanos, nem replicantes comportam-se de modo “humano”. Enquanto o humano Wallace sofre de fantasias gnósticas e uma soberba absurda de querer equipar-se a Deus, os pobres e escravizados replicantes não hesitam (spolier a seguir) em manipular as memórias e sentimentos de “K”, reduzindo-o ao papel de mero fantoche descartável no contexto da luta de libertação replicante. Neste universo amalucado, a única manifestação de humanidade vem de um programa de computador: Joi, uma “waifu” virtual programada para satisfazer as necessidades afetivas do consumidor. Um programa de computador criado para simular as emoções humanas consegue ser mais humano, a ponto de sacrificar-se e importar-se com alguém, do que os próprios humanos, e mesmo os replicantes que procuram afirmar sua alma, sua humanidade. Isso não faz pensar o quão merda nos tornamos? Como nos desumanizamos, por vezes com a desculpa (ou máscara) de uma “boa causa”?

***
O segundo filme é mais frio, embora tenha também uma estética agradável. Falo do clássico Taxi Driver. Trocentas linhas já foram escritas para descrever o significado do filme, e nenhuma delas acrescenta grande coisa, mas as minhas serão diferentes :P. O filme demonstra de forma clara, palpável a decadência civilizacional. Qualquer pessoa em plena sanidade mental, por vezes, experimenta aquele mesmo olhar de nojo e desprezo do protagonista Travis ante a podridão da cidade. Você não? Nunca? Pois lhe desafio a leitura de Dalrymple, se mesmo assim isso não ocorrer, das duas uma, ou é um alien, ou já ficou biruta. Continuando, ante a podridão metropolitana, Travis fica pistola e sai matando geral, num impeto justiceiro de purificar a cidade. O problema? Além de que sair por aí atirando nas pessoas não ser lá algo saudável, Travis é parte da degeneração, manifesto pelo diretor na frequência do personagem a pornografia. Como, pois, quer um homem sujo, se erguer ao posto de juiz dos demais? Além de que, a mocinha salva pelo protagonista não queria ser salva, estava a jovem bem satisfeita com sua imundice. O filme é bem niilista, mas eu não, então onde o diretor para eu continuo, como resolver a questão colocada pelo roteirista? De uma maneira relativista, simplesmente ignorando, tolerando a imundice? Essa não é minha resposta. Recorro ao que aprendi com Roberto De Mattei, cabe ao Príncipe, a autoridade legítima, solucionar isto. Caberia aos agentes do Estado “limpar” a cidade das drogas, fornicação e prostituição, e não a justiceiros privados. Se o poder estatal tem o monopólio da violência, que use do braço da lei para fazer reinar a justiça e a moral, para castigar o vício e incentivar a virtude. Mas o Estado está tomado por uma corja de ladrões. Pois então, que se repense o sistema democrático…


Devaneios demais? Talvez, mas há gente que insiste em citar Freud pra falar dos filmes de Scorsese

***

Ao fim, ambos os filmes são bons, arte no sentido estrito do termo, levantam questões interessantes, convidam o espectador para uma reflexão além do ordinário, e não oferecem respostas fáceis; o que torna uma experiência bem mais interessante do que o cine-doutrinação tão comum hoje em dia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário