quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

"(...) até que ponha teus inimigos por escabelo de teus pés"


3ª Semana do Tempo Comum - Quarta-feira
Primeira Leitura (Hb 10,11-18)
Responsório (Sl 109)
Evangelho (Mc 4,1-20)


1. Vivemos em tempos nefastos onde a todo momento parece o mal triunfar. Até mesmo dentro da Igreja os inimigo estende seus tentáculos por meio de hereges, apóstatas e demais  traidores infiltrados, promovendo toda sorte de sacrilégios e profanações. No entanto, a liturgia de hoje recorda-nos o destino destes malditos, em alusão a Cristo diz o autor sagrado: <Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que ponha teus inimigos por escabelo de teus pés. (Sl 109,1)>; sim, todos os inimigos da Santa Cruz, os blasfemos, hereges e iniquos serão devidamente esmagados: <Exercerá o seu juízo no meio das nações; encherá tudo de ruínas; esmagará as cabeças de muitos à terra; (Sl 109, 6)>


2. Escutamos no santo evangelho: a inconstância é o solo pedregoso, que impede a semente da palavra de desenvolver-se em nossos corações, peçamos a Deus o dom da perseverança, da fortaleza, da constância no bom combate, na vida de oração, na prática da lei, do contrário, quando vier a perseguição sucumbiremos. Aí de nós! Se fraquejarmos ao meio da batalha, como poderemos esperar desfrutar da vitória?

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Mistério e Aventura



2ª Semana do Tempo Comum - Sexta-feira
Primeira Leitura (At 22,3-16)
Responsório (Sl 116)
Evangelho (Mc 16,15-18)


Não é um tanto perturbador aquilo que escutamos hoje na primeira leitura? Cristo aparece a Saulo e limita-Se a mandá-lo a Damasco. Por que não lhe revelou sua vocação? Por que não lhe deu instruções mais concretas? Ao contrário, deixou-lhe no mistério, e foi revelando aos poucos, por intermédio de outros instrumentos a sua vontade.

O mesmo se dá conosco, Deus não nos dá um roteiro pronto de nosso destino, mas, como em um empolgante suspense, vai aos poucos nos dando pistas, nos indicando caminhos, por vezes com sinais e instruções vagas, e então, temos o prazer de investigar, de procurar, de discernir aquilo que ele quer de nós ,pouco a pouco, em cada momento.

Há que ser como criança para se entrar no reino dos céus, pois só o espírito puro de uma criança consegue apreciar toda a grandeza desta ''brincadeira sacra'', desta santa aventura que é o existir.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Los ángeles - Dom Lefebrve




La existencia de los ángeles, su perfección, su actividad, la caída de los ángeles malos, su influencia en nosotros y en el mundo, todo esto nos es revelado por la Sagrada Escritura y la Tradición, y pertenece al objeto de nuestra Fe.

¡Qué gran perjuicio causa a nuestras almas el olvido de este mundo espiritual de los ángeles, más numerosos que los hombres, más perfectos que ellos! La influencia de los ángeles buenos y malos en nuestras almas es mucho más importante de lo que pensamos. El solo hecho de que tengamos un ángel custodio que vela por nosotros, sin dejar de contemplar el rostro de Dios, debería animamos a conversar con él, a recurrir a su auxilio, para que nos ayude a conquistar la vida eterna y compartir su felicidad.

Nos inclinamos más a creer en la influencia de los malos ángeles que en la de los buenos. Esforcémonos en penetrar el mundo maravilloso de todos estos espíritus llenos de la luz y de la caridad del Espíritu Santo, abrasados de amor de Dios y del prójimo.

Estos espíritus angélicos tienen una inteligencia y una voluntad mucho más perfectas que las nuestras. Por eso su aceptación o su rechazo a participar en la gloria de Dios fueron definitivas. El orgullo de los que creyeron alcanzar esta gloria por sí mismos los precipitó al Infierno para siempre.

¡Qué lección sobre la gravedad del pecado! ¡Cómo deberían temblar de terror los pecadores que permanecen en el pecado, y hacer el propósito de alejarse del pecado por la gracia y la sangre de Nuestro Señor, lo cual es posible mientras somos peregrinos en esta vida, pero ya no será posible después de la muerte!

Aprendamos a vivir en compañía de los santos ángeles. Cada día, en el Prefacio de la santa Misa, la Iglesia nos invita a imitar a los santos ángeles, cantando la gloria de Dios: “Sanctus, Sanctus, Sanctus...”, cantando el “Gloria in excelsis Deo”.

Los oficios litúrgicos de los Arcángeles san Miguel, san Rafael, san Gabriel, son maravillosos y celestiales. ¡Qué hermosas lecciones nos dan por sus ejemplos y sus palabras! Nada hay tan celestial como el Oficio de difuntos, que nos encomienda a los ángeles: “Subvenite angeli Dei”; “In paradisum deducant te angeli”, etc. ¡Qué alentadora es la fe de la Iglesia en los santos ángeles! Guardémosla preciosamente y comuniquémosla a los fieles.

El hecho de que una parte de los ángeles haya caído es demasiado importante en sí mismo y en sus consecuencias para que no reparemos en él: todos los hombres sufren las terribles consecuencias del pecado de los ángeles, y por eso este acontecimiento concierne a la salvación de cada alma.

El pecado original y todas sus desastrosas consecuencias, la acción maléfica de los demonios sobre todos los hombres, son el resultado de este abominable pecado de los ángeles.

¿En qué consistió, pues, este pecado de los ángeles?

Dios quiere, con razón, que las creaturas espirituales inteligentes y libres merezcan la felicidad eterna y manifiesten espontáneamente su amor a Dios orientándose por sí mismas, bajo la influencia de la gracia, hacia la felicidad a la que Dios las destina.

Los ángeles, mucho más perfectos que los hombres, comprendieron con una inteligencia perfecta, ayudada por la gracia santificante de que están provistos desde su creación, la felicidad de la visión beatífica a la que Dios los llamaba. Así, pues, se les proponía una elección, moralmente obligatoria, pero libre. La proposición de esta elección, al ser para cada ángel lo más clara y luminosa posible, debía recibir una respuesta de adhesión instantánea y definitiva. Todos tendrían que haber respondido: “¿Quis ut Deus?”: ¿Quién es como Dios para que no lo amemos y no nos sometamos a esta proposición, que es la manifestación de la caridad infinita de Dios hacia sus creaturas espirituales?

Desgraciadamente, el orgullo y la complacencia en sí mismos de un cierto número de ángeles, los arrastró hacia una elección negativa. “Lo que somos nos basta; encontramos en ello nuestra gloria”. El resultado fue inmediato: perdieron la gracia santificante y fueron precipitados a las tinieblas y al fuego del odio del Infierno para siempre, ya que permanecen eternamente en su mala elección.

La proposición de esta felicidad suprema, ¿se hizo por medio de Nuestro Señor Jesucristo, por la adhesión al misterio de la Encarnación? Es probable, porque, ¿cómo concebir que Nuestro Señor sea el Rey de los Ángeles, sin que hayan consentido a su reino? Así se entienden mejor todas las expresiones de la Sagrada Escritura: “Rex cæli et terræ”, “Rex universorum”, “Data est mihi omnis potestas in cælo et in terra”, “Omnium creaturarum dominatum obtinet essentia sua et natura” (fiesta de Cristo Rey). La carta de San Pablo a los Colosenses (Col. 1 15-20 ) es explícita sobre el Reino de Nuestro Señor sobre los ángeles. Así se explica también el odio de los demonios contra Nuestro Señor.

La realidad de la existencia de miríadas de espíritus angélicos y, por desgracia, también de miríadas de demonios, su influencia sobre nosotros querida por la Providencia de Dios para los buenos ángeles y permitida para los malos, no puede dejarnos indiferentes y debe intervenir en nuestros juicios sobre la vida espiritual e incluso sobre los acontecimientos de la vida cotidiana.

El pensamiento de los santos ángeles debería sernos familiar, y preparar así la realidad celestial; de igual modo, debemos hacer todo lo posible para evitar la mala influencia de los demonios.

Nuestra actitud con los demonios, ya sea en nuestra vida interior personal, ya sea en nuestra actividad pastoral, debe ser conforme al pensamiento y a la Tradición de la Iglesia. A este respecto, repasemos frecuentemente las prescripciones del Ritual, que nos da preciosos y sabios consejos.

La influencia creciente de los demonios en estos tiempos de desorden, y el abandono de la pastoral de los exorcismos por parte del clero progresista, provoca un aumento de pedidos de auxilio a los sacerdotes de la Tradición.

Nuestra actitud en este campo ha de ser de gran prudencia y sabiduría: ante todo descartar los casos que son competencia de la medicina, y exigir la práctica religiosa tradicional, especialmente la asistencia frecuente al santo sacrificio de la Misa, el sacramento de penitencia, el rezo del Rosario, la oración a san Miguel Arcángel; luego, el exorcismo menor de san Miguel; finalmente, raras veces, el exorcismo mayor.

Durante estos exorcismos, no hacer jamás preguntas indiscretas a los demonios, no entrar jamás en conversación con los demonios, sino ordenarles imperativamente al modo de las oraciones del exorcismo mayor.

Los demonios son muy inteligentes y astutos; excitan la curiosidad para lograr hechizar, lenta pero seguramente, al sacerdote exorcista, y acaban por hacerle cumplir sus voluntades, obligándolo a actos generalmente buenos, pero por medio de los cuales lo conducen luego a actos malos cuando dominan su voluntad.

Por eso hay que negarse a todo diálogo; Satanás logró pervertir a Eva porque aceptó dialogar.

Sepamos imponer un límite a esta pastoral, para que no se haga avasalladora: pues este es uno de los fines de los demonios para impedimos realizar nuestro apostolado.

Esta pastoral debe contribuir a nuestra santificación, y no a turbarnos y llevarnos al pecado.

Itinerario espiritual siguiendo a Santo Tomás de Aquino
Monseñor Marcel Lefebrve

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

#Notas: Prudência e Devoção


Dado a gravidade que é o ato de canonização, creio o ser imprudente expressar publicamente as dúvidas sobre as canonizações pós-conciliares, ou faltar ao respeito, com críticas demasiado duras aos ''neo'' santos. É possível criticar e condenar as atitudes e obras sem atacar a pessoa. O que não significa que se deva necessariamente simular ou forçar devoção.

Se Paulo VI é santo (e não estou dizendo que não o seja), isso não significa que precise apoiar as evidentes tolices e erros do Vaticano II e sua contradição com o magistério anterior, nem que tenha que tornar-me devoto e invocá-lo em todas as minhas orações.

Há mais de 20 mil santos canonizados, creio ser lícito ao fiel escolher dentre estes homens e mulheres veneráveis aqueles que mais lhe inspiram, e que essa escolha não seja influenciada por lobbys da política eclesial em voga. É um verdadeiro totalitarismo forçar (sobretudo tratando-se de veneráveis posteriores a era apostólica) ou proibir devoções (como se fez com a veneração a Santa Filomena e São Simão de Trento).

Em, resumo, a meu ver há dois erros opostos: a busca de publicamente realizar um self-service nas canonizações, determinado qual seja válida e qual não o seja e, um outro erro que é forçar a devoção a tal o qual como forma de garantir adesão a tal determinado ''partido'' eclesiástico.

Por fim, ainda que existam erros nas novas canonizações, caberá ao pontífice romano corrigir, não a meros leigos. O que podemos fazer, é ter certa reserva pessoal, ou aconselhar privadamente e com prudência quando requisitados por nossos irmãos.

Há que se conservar o bom senso afim de evitar o escândalo.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

HIpster Conserva



Uma perspectiva verdadeiramente regressista passa pela crítica da cultura pop moderna. E isso não se pode fazer sem criticar aquela coisa agarrada na nossa garganta e que não desce nem debaixo de muita porrada: o hipster.

A cultura hipster é vista pelos conservadores brasileiros como algo essencialmente progressista. Deve ser, talvez, devido ao fato de que, COM exceção das grandes cidades, ela não pegou aqui com tanta força. Aqui o padrão é o sucesso. E tribos e subgrupos urbanos embora existam são sempre vistos como estrambóticos até pelos próprios integrantes que, em geral, entendem que o padrão é o normal e que no fundo eles têm mesmo é razão. Nos EUA a coisa não é bem assim. Quero dizer, a cultura hipster é essencialmente progressista e compartilhada e vestida por pessoas consideradas progressistas. Mas há algo de distinto nisso. Ela faz enorme sucesso e é quase o novo padrão em grandes cidades. Não raro num metrô você vê vários tipos assim ao lado do que outrora era o padrão, enquanto no Brasil é meia dúzia de malucos.

Isto é particularmente curioso, porque algo progressista não quer dizer apenas respeito a opiniões subjetivas, mas sim a algo de mudança realmente estrutural na sociedade. Isto é, para fora da nossa mente existe um mundo, uma sociedade que tem determinadas características que devem ser mudadas. O hipster em geral não se opõe a essas mudanças, mas é muito raro vê-lo como uma espécie de ponta de lança nesses movimentos transformadores. Ele é um progressista passivo, ou ainda, em palavras mais gentis, um progressista subjetivo.

E é nisso que reside seu liberal-conservadorismo. Paradoxal? Veremos mais adiante que não. O que há por detrás desse tipo de mentalidade filosoficamente falando? Vamos primeiro a uma definição de hipster antes de prosseguir.

O hipster ou pelo menos a cultura hipster trata-se da rejeição e quebra de padrões e afirmação de individualidade. Contudo, essa definição tende a ser problemática por uma questão metalinguística. A definição padroniza. Ela diz o que é, cria padrões reconhecíveis, essências e, portanto, o hipster teria de necessariamente de rejeitá-las também. Assim, o hipsterismo seria um padrão de comportamento, não uma doutrina ou ideologia, mas um tipo de sensação e de forma de agir, de ser, um novo dasein duginiano urbano. Mas não se engane, o aparente relativismo do hipster é perfeitamente abarcado pela modernidade e pelo conservadorismo, pois o conservador é um moderno moderado, ou como gostam de dizer, prudente. Ora, o conservadorismo rejeita-se enquanto doutrina da mesmíssima forma, e afirma-se como uma conduta existencial e uma forma de ser. Temos uma coincidência aqui que poderemos aprofundar depois, pois seria demasiado ingênuo afirmar só por isso e por uma constatação tão simplória dessas de que “logo, é conservador”.

Mas, diferentemente desses existencialismos capengas que por vezes se encontram em filosofias conservadoras, eu acredito no poder da razão ordenada e na sua capacidade de, em reconhecendo os padrões, identificar as essências e classificá-las (deve ser por isso que eu sou muito mainstream). O curioso é que a própria cultura padrão (ou mainstream) também pode receber esse mesmo tipo de qualidade. Ninguém tem uma doutrina em mente quando deseja se vestir com as roupas que são considerados o básico da sociedade em sua época, ele está apenas externando uma forma de ser de seu tempo e de seu lugar no espaço. É algo meramente automático. Por ser tão claro e cristalino é visível que há nisso um conservadorismo. Mas o aspecto conservador do hipster tem uma certa consciência de si maior, não é uma mera resposta por automatismo, é uma forma de afirmação de se estar numa sociedade liberal-democrática e de afirmar os princípios da mesma.

Dom Marcel Lefevbre demonstra que o ponto de partida do liberalismo é uma dissonância epistemológica, o subjetivismo, que não se conformando com o mundo a sua volta tende a querer editá-lo. Um dos frutos do subjetivismo é o individualismo, através do qual o indivíduo muda a realidade ao invés de ser mudado por ele.


O hipster claramente é subjetivista, e ele afirma sua individualidade, como todo liberal. Ele faz isso de modo existencial e autocrítico. E isso é um outro aspecto de seu conservadorismo. O hipster entende que ele é subjetivamente único e incapaz de se amoldar e de se encaixar no padrão, ele prefere então se editar, se criticar, ao invés de criticar a sociedade como um todo. Por isso o hipster é alguém desconstruindo a si ao invés de desconstruindo o mundo. O hipster é de esquerda, mas isso é uma opinião dele que ninguém é obrigado a seguir. O hipster quer maior distribuição de renda, mas ele não quer forçar ninguém a pensar como ele. O hipster é um cliente assíduo das grandes marcas de roupa, de óculos, de chapéus, de perfumes e de restaurantes chiques ou cafeterias massificadas, símbolos da grande sociedade de consumo.

E isso é profundamente liberal, tal como a sociedade que o rodeia! O que o hipster tem é uma certa autoconsciência que ao ver o mundo padronizado do capitalismo liberal, das sociedades urbanas de massa, decide questionar a si próprio enquanto indivíduo do que questionar a lógica dessa sociedade em si. Assim, ser de esquerda subjetivamente, votar no Bernie Sanders, preocupar-se com os bichinhos da África são apenas formas de reforçar sua individualidade, dado que o homem comum, o “padrão”, está preocupado mais com trabalho, horário, família, cachorro e coisas mais prosaicas como por o lixo para fora. O comportamento hipster é uma fuga liberal para um esquerdismo meramente postiço como forma de demonstrar para si mesmo e para outros que ele é “diferentão”.

Um dos símbolos mais fortes do conservadorismo liberal do hipster é que ele sempre procura – como bom filho da cultura vintage – o anacronismo como forma de mudar seus hábitos e vestimentas. Procura-se o uso de palavras mais antigas, mistura-se elementos contemporâneos como tatuagens com penteados, roupas e óculos da década de 20, 30 ou até 40. Tudo isso de forma contrastante como um sinal de continuidade entre passado e futuro, como alguém sempre no presente ou alguém atemporal. François Hartog, um filósofo pós-moderno da história chama a atenção para isso, como notam os também historiadores Júlio Bentivoglio e Patrícia Merlo (2014, p.23):

“Essa apropriação do passado pelo presente constitui aquilo que Hartog denominou presentismo. O revival, o vintage, o uso de estilos estéticos, linguagens e objetos do passado no presente são marcas desse presentismo e de crise desse regime moderno de história e historicidade”.
Mas de que crise falam os professores da UFES ao se referir a François Hartog? Apelando ao crítico literário Hans Ulrich Gumbrecht (apud Merlo e Bentivoglio, 2014, p.24), ambos relacionam essa crise com o medo do futuro, pois conforme o próprio Hartog concordaria “o futuro reserva mais ameaças que exatamente promessas de felicidade e progresso”.

Extraordinário. O hipster é um descrente na ideologia do progresso!

O hipsterismo é simplesmente a conduta do homem moderno que, perdendo o sentido do progresso, temendo e desconfiando do futuro, afirma sua individualidade numa cultura e sociedade burguesa, de modo completamente condizente com ela, sem em nada realmente questioná-la. Em outras palavras, o ser hipster é o mesmo que ser um conservador da sociedade liberal com mais ênfase no liberal, mas sem, entretanto perder o seu aspecto conservador. Ele é diferente da mentalidade tradicional que enxerga o futuro como uma continuidade do passado e que é justificado por ele. Mentalidade esta que alguns conservadores um pouco mais inconformados com a modernidade tendem a tomar, mas ao contrário, o hipster ele exclui a historicidade de tudo, misturando o passado e o presente numa resposta prática e emocional ao medo do futuro e ao niilismo mais tacanho.

Lenin, este sim um verdadeiro progressista e revolucionário criticou essa conduta em partes como sendo a “doença infantil do comunismo”, pois na verdade guarda em seu ínterim um conservadorismo mal disfarçado entre os modos de ser da burguesia. Daí seu apreço a uma eterna belle époque, a uma revitalização do grupo Bloomsbury de onde vieram John Maynard Keynes, Virgínia Woolf, Bertrand Russel, George Bernard Shaw entre outros. O hipster é, nas palavras de Gilson Schwartz um “conservador autocrítico”, ou nas palavras de Keynes (apud Schwartz, 1986, p.44) membro da “burguesia instruída”. O hipster é individualista, niilista de um sentido para a história, afirma a tolerância como virtude, busca o anacronismo, é um adepto da sociedade de consumo, das grandes redes de entretenimento, cliente fiel das praças de alimentação dos shoppings e, por fim, sempre virtualizado no facebook, no tumblr e no instagram. Ou você achou mesmo que a nova direita nasceu na internet e cool por acaso?


No fim das contas, pelo subjetivismo mesmo do hipster, o que há de progressista no hipster é postiço, falso, e perfeitamente remodelável para uma conduta verdadeiramente conservadora caso o padrão seja mais progressista do que ele. Vide o caso dos novos conservadores brasileiros, que se vestem como austríacos da década de 20 e 30, com gravatas borboletas, fraques, usam chapéu bowler arredondado, fumam cachimbo e alguns até curtem um pince nez. Durante os anos do petismo, o padrão (mainstream) tornou-se tão progressista que o hipster amedrontado do futuro encontrou seu refúgio no conservadorismo que é, na verdade, a sua essência.

Por fim, retomando o raciocínio inicial, não é possível a criação de uma cultura verdadeiramente tradicional e regressista sem a demolição do aparente progressismo do hipster, que na verdade é apenas circunstancial e usada pelos conservadores para justificar-se como menos progressistas. O que está em xeque aqui é a modernidade que deve ser demolida.

Referências:
LEFEVBRE, Dom Marcel. Do liberalismo a apostasia – A crise conciliar. Niterói: Permanência, 2013.
SCHWARTZ, Gilson. John Maynard Keynes: um conservador autocrítico. São Paulo: Brasiliense, 1986.
BENTIVOGLIO, Júlio; MERLO, Patrícia. Teoria e Metodologia da História: Fundamentos do conhecimento histórico e da historiografia. Vitória: Edufes, 2014. 


 #Arthur Rizzi

sábado, 12 de janeiro de 2019

Um futuro medieval


Quão belo me parece o mundo de outrora, o medievo europeu, com seus castelos e catedrais, um mundo de clérigos, cavaleiros e princesas; saudades desse tempo que nunca vivi…A Igreja estendia seus domínios pelo mundo, os Estados se curvavam submissos ante a lei do Evangelho, os nobres partiam ao Oriente em guerra santa, os frades mendicantes vagavam por metrópoles, aldeias e povoados, os hereges ardiam na fogueira, multidões peregrinavam para ouvir os santos e doutos pregadores; belos dias deste tempo esplendoroso, desta era de ouro onde o sobrenatural, o sagrado, estava explicitamente manifesto em todo o arranjo social.

Romantismo? Idealização? Devaneio? Sem dúvida, e ao extremo rsrs. Porém, a utopia é um estímulo, é o combustível dos grandes feitos; o ideal pavimenta o real; ou nas palavras de Von Hofmannsthal: “Nada está na realidade política de um país que não esteja antes na sua literatura”. E mesmo que a tal literatura jamais venha a se concretizar no real, ainda que as especulações sobre um neomedievo não passem de fantasias, será uma bela ficção, capaz, quem sabe, de encantar as filhas e filhos de Eva, proporcionando-lhes um ideal ainda que intangível, um abrigo, ainda que imaginário, uma fantasia ainda que efêmera, um combate, ainda que destinado a fracasso.

É nesse sentido meus amigos que retorno a elfolândia para voz convidar a uma grande aventura. Aos idealistas, aos artistas, deixemos as árvores retorcidas de uma política pragmática e acinzentada em favor de um ideal multicor, convido aos poetas, aos ficcionistas, aos filósofos, pintores, músicos e desenhistas, aos católicos que sabem que para Deus nada é impossível,a vós meus irmãos os convido a tomar parte ativa na guerra cultural. Tornemos concreto e manifesto por meio da arte um novo futuro, um neomedievo, uma nova cristandade, coloque sua imaginação meu amigo a serviço desta causa, deste ideal, desta utopia! Estudemos o latim, escutemos o ressoar do alaúde, proclamemos os dogmas, desenterremos as ruínas, retiremos aos poeiras do velhos romances de cavalaria e, como numa alquimia proibida, mesclemos com os sonhos futuristas, com as possibilidades de agora, os avanços da técnica e as esperanças do amanhã, com o que há de mais moderno e espetacular na ficção científica;  então, nesta Terra de Santa Cruz, como uma nova semana de 22, gestemos um novo movimento cultural! Senhores, trabalhemos afim de construir este sonho arqueofuturista, essa nova Idade Média, esse futuro medieval!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Homem e mulher os criou

A sabedoria dos antigos gregos recorda-nos algumas interessantes lições sobre a estrutura e hierarquia familiar, lições está que a modernidade feminista esforça-se por apagar da memória dos povos. Ensina-nos Xenofonte em seu Econômico:

'E vês, disse minha mulher, o que poderia fazer para colaborar no crescimento de nosso patrimônio?'
'Vejo, sim, por Zeus disse eu. Tenta fazer, da melhor forma possível, aquilo que os deuses te fizeram capaz de fazer e a lei aprova.'
'E isso o que é?' disse ela.
'Julgo que não são tarefas de pequeno valor, disse eu, se é que, numa colméia, não são de pequeno valor as tarefas a que a abelha-rainha preside. Eu penso, minha mulher, ele contou-me ter dito, que os deuses formaram esse casal de fêmea e macho, como é chamado, com muito critério para que tenha o máximo de vantagens na convivência. Em primeiro lugar, para que não pereça a raça dos seres vivos, esse casal permanece unido gerando filhos; em segundo, a partir dessa união, eles, os homens pelo menos, podem ter amparo em sua velhice; em terceiro, os homens não vivem ao ar livre como os rebanhos, mas precisam de teto, é claro... Mas, para terem o que levar para o interior dos abrigos, os homens precisam de quem faça as tarefas ao ar livre. Ora, lavra, semeadura, plantação e pastoreio, tudo isso é feito ao ar livre e é daí que vêm os víveres.  Depois que são levados para o interior do abrigo, ainda é necessário que haja quem os conserve e realize os trabalhos que exigem lugar coberto. Precisam de lugar coberto os cuidados com os filhos recém-nascidos, o preparo do pão a partir dos grãos e o feitio das vestes com fios de lã. Já que ambas as tarefas, as do interior e as do exterior da casa, exigem trabalhos e zelo, desde o início, na minha opinião, o deus preparou-lhes a natureza, a da mulher para os trabalhos e cuidados do interior, a do homem para os trabalhos e cuidados do exterior da casa. Preparou o corpo e a alma do homem para que possa suportar melhor o frio, o calor, caminhadas e campanhas bélicas. Impôs-lhe, por isso, os trabalhos fora de casa; à mulher, penso eu, por ter-lhe criado o corpo mais fraco para essas tarefas, disse-me ter dito, impôs as tarefas do interior da casa. E, sabendo que dentro da mulher colocara o alimento dos recém-nascidos e lhe impusera o encargo de nutri-los, deu-lhe também uma porção maior do amor pelas crianças que ao homem. E, visto que impusera à mulher a vigilância sobre o que está guardado dentro de casa, sabendo que em relação à vigilância não é inferioridade ser tímida de alma, deu à mulher uma porção maior de temor que ao homem. Sabendo, porém, que, em compensação, caso alguém cometa uma ação injusta, é àquele que tem em suas mãos os trabalhos de fora de casa que caberá a defesa, a esse deu uma porção maior de coragem. Mas, porque ambos devem dar e receber, aos dois deu em partes iguais a memória e o zelo. Sendo assim, não poderias discernir qual sexo, o feminino ou o masculino, tem mais desses dons. Fez também que fossem igualmente capazes de controle sobre si mesmos e deu-lhes licença para que quem fosse o melhor, homem ou mulher, assumisse para si parte maior desse bem.  E, pelo fato de que, por natureza, ambos não são igualmente bem dotados para tudo, precisam muito um do outro e a união é mais útil ao casal quando um é capaz daquilo em que o outro é deficiente. Sabendo, minha mulher, disse-lhe eu, os deveres que a cada um de nós foram determinados pelo deus, é preciso que tentemos, cada um de nós, levá-los a termo da melhor forma possível. Aprova-o, disse-me ter dito, também ao fazer cônjuges o homem e a mulher. E, como o deus os fez parceiros quanto aos filhos, assim também a lei os instituiu como parceiros na casa. E a lei declara nobre aquilo para o que os fez mais capazes por natureza. Para a mulher é mais belo ficar dentro de casa que permanecer fora dela e para o homem é mais feio ficar dentro de casa que cuidar do que está fora. Se alguém faz coisas estranhas à natureza que a divindade lhe deu, talvez os deuses não deixem de perceber que ele está fora de seu lugar e ele é punido por descuidar-se de tarefas que são suas ou fazer tarefas da mulher.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

''(...) todo o que não pratica a justiça não é de Deus''


Antes da Epifania - Sexta-feira
Primeira Leitura (1Jo 3,7-10)
Responsório (Sl 97)
Evangelho (Jo 1,35-42)

Escutamos hoje ao final da primeira leitura: <É nisso que se conhece quais são os filhos de Deus e quais os do demônio: todo o que não pratica a justiça não é de Deus, como também aquele que não ama seu irmão. (1Jo, 10)>. Precioso é este ensinamento, sobretudo, em tempos em que as trevas da ideologia cegam a tantos cristãos. Em nome do pragmatismo político recorrem a mentiras, tapam seus ouvidos aos justos clamores dos pobres, afagam os pecados dos poderosos. Que moral é essa onde o certo e o errado está subordinado a convivência política, aos benefícios da gangue ideológica? Filhos do demônio! Assim o é todo aquele que não pratica a justiça. Temos nós buscado a justiça? Como filhos de Deus devemos praticar o bem e a justiça acima das conveniências políticas e delírios ideológicos.

Que Deus nos livre das colonizações ideológicas, da direita e da esquerda, e nos dê a garça de sermos apenas católicos, integralmente católicos.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Rios Voadores, Terpenos e o Controle do Clima

 

O clima é um fator determinante para o progresso das civilizações. De um regime de chuvas adequado e temperaturas amigáveis dependem as colheitas agrícolas bem como a dispersão de um povo pelo território nacional. Em tempos recentes, a situação climática do agreste nordestino volta ao centro das discussões quando o atual presidente propõe o uso de tecnologia israelense para dessanilziação da água do mar, afim de contornar o problema da seca (ao menos assim o é no discurso, embora na prática seja apenas uma desculpa para fortalecer as relações Brasil-Israel e submeter-nos aos interesses sionistas) coloco-me a especular, não seria possível levar chuva ao sertão?

Em tese sim. Estudos recentes tem mostrado o papel determinante das florestas sobre o clima; sabe-se por exemplo que os chamados rios voadores da Amazônia são de fundamental importância para o regime de precipitação no país.



Além disso, conta-nos Peter Wohlleben em A Vida Secreta das Árvores que:

As florestas de coníferas do hemisfério Norte têm outra forma de influenciar o clima e o equilíbrio hídrico: exalando terpenos, substâncias que funcionam originalmente como proteção contra doenças e parasitas. Quando essas moléculas entram na atmosfera, concentram a umidade. Com isso, formam-se nuvens duas vezes mais densas do que em superfícies sem florestas. A probabilidade de chuva aumenta, e com isso 5% a mais de luz é refletida, em vez de ser absorvida. O clima local esfria – e o clima frio e úmido é ideal para as coníferas. Devido a esse efeito, os ecossistemas desempenham um papel possivelmente importante na redução das mudanças climáticas.

Em resumo: através do manejo florestal é de algum modo possível alterar o microclima de uma região.

Todavia, quem vai perder tempo cultivando coníferas por anos, pra ter mais chuva, o qual no muito deve veneficiar as colheitas de seus netos? Mesmo a preservação do Bioma Amazônico já grande oposição.  Não é do interesse da iniciativa privada, ou mesmo de um governo democrático arriscar-se em projetos de longo prazo. A atual estrutura social e governamental está configurada ao imediatismo, se deve pensar nos lucros do amanhã, na eleição seguinte; o futuro? No futuro estaremos todos mortos. Apenas uma dinastia monárquica estaria disposta a tal empreitada cujos frutos viriam a manifestar-se apenas daqui duas ou três gerações.

Ainda que o manejo florestal como forma de controle climático seja uma realidade um tanto distante devido a atual organização governamental e civilizacional, há que se notar que nos dias do amanhã, quem sabe não se desenvolvem meios de coletar ou sintetizar os terpenos, sendo estes dispersados sobre a atmosfera de regiões desérticas para fabricar chuvas? Isso se a guera nuclear não eclodir antes, fazendo com que retornemos a níveis técnico-científicos pré-revolução industrial.