sábado, 26 de outubro de 2019

Cultura Cristã

29ª Semana do Tempo Comum - Sábado
Primeira Leitura (Rm 8,1-11)
Responsório (Sl 23)
Evangelho (Lc 13,1-9)

<Os que vivem segundo a carne gostam do que é carnal, os que vivem segundo o espírito apreciam as coisas que são do espírito (Rm 8, 5)>; é o que nos ensina São Paulo, mas que tantos hoje insistem em ignorar. Há um abismo que separa cristãos e infiéis, como se tratassem de homens de espécies diferentes. Enquanto os primeiros são movidos pelo espírito, os demais seguem aos impulsos da carne. Tal diferença de perspectiva existencial não se reflete apenas na vida prática, mas também na cultura. A cultura cristã é voltada para as realidades do espírito, para aquilo que eleva o homem a Deus, enquanto a cultura mundana têm em vista a tríplice concupiscência. Por mais que possa haver ''sementes do verbo'' ou ecos de uma tradição cristã nas atuais manifestações culturais, o cristão deve ter em vista este profundo abismo, quando está a consumir os produtos culturais do mundo, afim de que não acabe por mundanizar-se.

Dias atrás vi por aí um vídeo onde, em uma suposta romaria, jovens estão a pular ao som de música ruim, como se estivessem em uma festa rave. Apesar de ser um ''evento da Igreja'', aquilo não é cultura cristã, mas cultura mundana. O que move aqueles jovens é uma agitação carnal, uma música que tão somente age sobre os instintos, agita o corpo em movimentos desordenados e inúteis.

 


 Compare isto ao réquiem de Mozart, algo que age sobre o intelecto, que convida o espírito a elevar-se.



''Qualé você quer que os juventude, incluso jovens de classe baixa, escutem Mozart?'' - Sim ,quero. A Igreja deve fomentar uma cultura cristã, e dar aos fiéis o alimento do espírito, ao invés de trazer a lavagem profana para dentro do templo. E os católicos, como não andam segundo a carne, mas segundo o espírito, serão dóceis a tal intento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário