terça-feira, 21 de julho de 2020

"(...) jogai nossos pecados nas profundezas da mar"


16ª Semana do Tempo Comum | Terça-feira
Primeira Leitura (Mq 7,14-15.18-20)
Salmo Responsorial (Sl 84)
Evangelho (Mt 12,46-50)

<Uma vez mais, tende piedade de nós! Esquecei as nossas faltas e jogai nossos pecados nas profundezas da mar. (Mq 7, 19)>*

1. Está foi a prece do profeta Miqueias, conforme lemos a primeira leitura da missa. Embora não sejamos nós profetas, também podemos e devemos clamar a Deus por misericórdia para com o povo a qual pertencemos. A causa primeira desta pandemia são os nossos pecados. Aquilo que hoje sofremos é o justo castigo de nossas iniquidades.

2. "(...) jogai nossos pecados nas profundezas do mar", de algum modo o trecho final deste versículo deve também nos inspirar a fazer o mesmo. Devemos jogar nas profundezas do mar todos os instrumentos de pecado, tudo aquilo que nos afasta de Deus: maus livros, ídolos, materiais pornográficos, degenerações heréticas e etc. Quão belo foi quando se ecoou a notícia das estátuas da Pachamama precipitadas no Tibre! Outra alternativa é queimar tudo em uma bela fogueira quase como num doméstico auto de fé

*Obs. Hoje foi utilizada para estas reflexões tradução Bíblia na edição Ave Maria. Creio que neste trecho em específico foi a versão que expressou da maneira mais adequada o sentido do texto. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário