quarta-feira, 28 de julho de 2021

Tesouro Escondido

17ª Semana do Tempo Comum | Quarta-feira
Primeira Leitura (Êx 34,29-35)
Responsório (Sl 98)
Evangelho (Mt 13,44-46)

<O Reino dos Céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo. (Mt 13,44)> 

A atitude natural daquele que encontra um precioso tesouro é mantê-lo escondido e desfrutar dele no o oculto. Tão somente após deleitar-se com o achado é que pode nascer algum desejo de compartilhar um pouco de sua riqueza, realizar alguma caridade. E nada há de errado ou reprovável nisso. Mas hoje há tanta gente que afirma tem encontrado algo, mas tão já se apressa em compartilha-lo, torná-lo público. Criaturas que colocam seu deleite não no mesmo tesouro, mas na vã atenção das turbas. No melhor dos casos são charlatões, que nada encontraram mas apenas agitam os seus semelhantes com bobagens. No pior dos casos são estultos incapazes de desfrutar daquilo que eles mesmo encontraram, como abelhas domesticadas que trabalham incansavelmente para encontrar um pólen de qualidade e produzir um bom mel, só para ter seu preciso tesouro tomado por outros que dele desfrutarão (quem sabe para adoçar um delicioso chá).

domingo, 25 de julho de 2021

O clero herodiano


Nos contam as sagradas escrituras que os magos pararam em Jerusalém, afim de obter informações a respeito de onde deveria nascer o Messias. Herodes, depois de consultar os sábios hebreus, lhes informa que o menino haveria de nascer em Belém. A impiedade de Herodes era a muito conhecida, entretanto, quando meditamos a respeito, não há como não escandalizar-se ante a insensibilidade dos judeus que, sabendo das profecias e alertados pela presença dos magos, preferiram ficar onde estavam, no conforto da corte, ao invés de partir em jornada para buscar aquele que lhes fora anunciado pelos profetas. O escritor polaco Jan Dobraczyński, na obra La Sombra Del Padre, coloca seu talento literário a serviço da fé e nos apresenta uma descrição imaginária de como se poderia ter dado a cena e de que modo estavam os sábios judeus envolvidos na teia das conspirações herodianas. Segue a transcrição:


—Bueno, ¿qué te parecen? —preguntó Salomé.

Herodes estaba sentado en su lecho. Tenía el rostro tan encogido, que podría pensarse que no había nada en él, fuera de los ojos ardientes de fiebre y la nariz grande. El terrible esfuerzo que se imponía para ocultar sus sufrimientos le agotaba más que los momentos en que se abandonaba a los gritos.

—Tuviste razón —murmuró— al fijarte en ellos. Son probablemente enviados del rey de los Partos. Le habrá llegado la noticia de mi enfermedad. Se cree que ya me estoy muriendo. ¡Esta historia del supuesto Saoshyant no es más que una treta! No creo en sus cuentos. Aquel les envió para enterarse de la situación…

—¿Y crees que no significa nada esta historia del Niño, que ha nacido…?

—Hasta allí han llegado las patrañas de los fariseos. Lo cierto es que buscan aliados aquí.

—Entonces hay que despacharlos.

—Tengo que hablar primero con los Judíos. ¿Están ya aquí los que hice llamar?

—Están aquí esperando tu permiso para presentarse ante ti.

—¡Que entren. Diles que sean breves. Que no hablen como suelen hacerlo! ¡No tengo fuerzas para escuchar tonterías! Ya tendría que estar en Callirhoe. Allí, lo sé, desaparecerán los dolores… ¡Tenían que venir estos Partos ahora! Tú los hiciste venir a palacio…

—Tú mismo me has dicho que hice bien.

—Sí. Es cierto. Tenías razón. ¡Llama a esos Judíos!

Iban entrando en la sala uno tras otro, rígidos, tiesos, vestidos con sus ropas largas.

Los sacerdotes llevaban encima los distintivos de su dignidad. Iba primero el gran sacerdote Simón, hijo de Betos, el suegro de Herodes, padre de la bella Mariamme, que se convirtió en esposa del rey después de la muerte de Mariamme la Asmonea. Para elevar la dignidad de la que deseó convertir en su esposa oficial, Herodes nombró gran sacerdote a Simón, privando del poder al antiguo gran sacerdote, Jesús, Hijo de Foabis.

Simón iba acompañado de varios sacerdotes. Siguiéndoles venían varios fariseos con los ojos mirando al suelo, como para demostrar en qué poca consideración tenían las magnificencias del palacio o quizá para no mirar las esculturas griegas colocadas en los ángulos de la estancia. En cabeza iban Polión y Samea, dos dirigentes fariseos que mantenían estrechos contactos con el rey. Detrás, dos jóvenes fariseos llevaban sosteniéndole por los brazos al anciano Hillel. Herodes con gesto benévolo mandó ofrecer una silla al venerable doctor. El gran hakam —rector de toda la escuela que llevaba el nombre de «Casa de Hillel»— era un hombre respetado en todo el reino, y también fuera del reino, allí donde existían colonias judías.

Los recién llegados se colocaron en semicírculo delante del rey. Sus caras reflejaban una ansiedad que no acertaban a disimular. No sabían para qué habían sido realmente convocados. Herodes despertaba en ellos temor. A decir verdad, trataba de ser conciliador, pero sabían que era capaz de ser zorro y león simultáneamente. Además, estaban convencidos de que la enfermedad lo había vuelto loco.

El rey estaba como de costumbre envuelto por una nube de humo aromático. Salomé estaba detrás de su hermano dispuesta a acudir en su ayuda.

—¿Sabéis para qué os he hecho llamar? —preguntó con vehemencia.

—Lo suponemos únicamente… —el que tomó la palabra en nombre de todos era Simón—. Creemos que se trata de esas personas que han llegado del reino de los Partos…

—Sí. ¿Habéis oído la noticia que traían?

—La princesa Salomé nos lo dijo…

—¿Qué os parece esta historia del nacimiento?

Las cabezas de los presentes se volvieron hacia Hillel. Dejaron la palabra al gran maestro.

—Conocemos este asunto, rey Herodes… —Hillel hablaba con voz un tanto espesa y, a medida que hablaba, se hacía más clara—. En siglos remotos, cuando el rey de Persia se mostró benigno con Israel, permitiéndole regresar a las tierras de sus antepasados, los sabios judíos de entonces trataron de demostrar en sus escritos que las creencias de los discípulos de Zarathustra son un eco de nuestras esperanzas de un mesías. Y parece ser que esperan lo que nosotros esperamos hace muchos siglos, lo que nos ha sido prometido y llegará solo para nosotros…

—¿Quieres decir —Herodes interrumpió a Hillel— que los Persas, al esperar a su Saoshyant, esperan simplemente al mesías judío?

—Tal como has dicho, rey. La verdad es como el sol reflejado en un millar de espejos.

—Bien —Herodes alcanzó la copa de vino mezclado con una infusión de hierbas, que tenía la virtud de frenar el ataque de dolor que se acercaba—. ¿Cuándo ha de venir ese mesías vuestro?

Lanzó esta pregunta a Simón, pero este, con un movimiento de cabeza, la pasó al sacerdote que estaba a su lado. El otro hizo lo mismo. De hombre en hombre, como una moneda rodando, la pregunta dio la vuelta y se detuvo otra vez en Hillel.

—Preguntas, rey —dijo el gran rabino—, por algo que solo conoce el Altísimo, cuyo nombre sea glorificado. Pero hay señales.

—¿Qué señales? —Herodes volvió a interrumpir el parlamento lleno de emoción de Hillel—. ¿Dónde están?

—Estas señales aparecen únicamente en el corazón de los hombres. Hay algunos que sienten que el tiempo está cerca…

No dijo nada más. Terminó como si quisiera cortar su pensamiento. Herodes esperó un momento, luego volvió a echar mano de la copa. Deseaba tener suficiente fuerza para concluir esta conversación. En el fondo, no soportaba a los fariseos. Los consideraba como sabihondos henchidos. Mostraba respeto a Hillel. Con Polión y con Samea pactaba en diversos asuntos. A veces le eran necesarios. A través de ellos tenía la sensación de sujetar por las riendas a la peligrosa secta. Sabía que grandes masas de am-ha’arez incultos, aunque tratados con desprecio por los fariseos, profesaban hacia ellos un temor sumiso. Esos escribas eran los amos de los secretos de esta gente extraña que le cayó en suerte gobernar. El que quisiera gobernar a los Judíos tenía que contar con los fariseos. Herodes era rey de los Judíos y quería ser rey de los Judíos. Este pueblo lo irritaba y al propio tiempo lo fascinaba con sus peculiaridades. Le había ocurrido exactamente lo mismo con Mariamme la Asmonea: La quiso con locura y al mismo tiempo sospechaba de ella, la temía, a veces la odiaba. Hubo un tiempo en que creyó que había aniquilado a los fariseos. Sin embargo, resurgieron. Le parecían indestructibles. A los sacerdotes los dominaba con facilidad. Apreciaban por encima de todo la comodidad, el bienestar, las buenas relaciones con los gobernantes. No pretendían que la fe de Israel fuera la única verdadera ni que todos los que creen otra cosa son tontos o pecadores, condenados tanto unos como otros a la perdición. Simón, que procedía de Alejandría, estaba acostumbrado a la convivencia con los griegos, y no diría nunca lo que dijo hace poco uno de los escribas fariseos (el hecho fue comunicado a Herodes): «Maldito el que cría cerdos y maldito el que enseña a su hijo la sapiencia griega». Los fariseos eran insoportables con su soberbia. Con sus puntos de vista envenenaban a las masas, eran los culpables de que el reino de Herodes fuera considerado siempre como algo completamente distinto a todos los demás reinos. En Roma se hablaba con desprecio de los Judíos y, sin embargo, el emperador colmaba de favores a los Judíos como a ninguna otra nación que le estaba sometida. Estuviera donde estuviese una colonia judía, hasta allí llegaban las influencias de los fariseos… Ahora estaban ante él con los ojos mirando al suelo. Les odiaba, y sin embargo sentía que tenía que contar con ellos. Proclamaban por doquier que estaban más bajo la protección del Dios hebreo que todos los demás hombres. Quizá fuera así realmente. Quizá conocían algunos conjuros secretos. Sabía que estaban mezclados en la conjura de Antípatro y Ferorás, pero no trataba de averiguar lo que estos les habían prometido.

—He oído decir —dijo mirando de arriba abajo a los que estaban delante de él— que ese mesías ha de nacer cuando el rey hebreo no sea descendiente de Judá. ¿Es eso lo que anuncian vuestras profecías?

Acongojados, intercambiaron una mirada. Samea tomó esta vez la palabra en nombre de todos.

—La profecía no es muy precisa, puede interpretarse de varias maneras…

—¿Sin embargo hay algo de esto? Ircano, antes de sufrir el castigo merecido, residió entre los Partos. Quién sabe lo que les contaría entonces. Los hombres que han venido aquí pueden conocer esta profecía.

Callaban diplomáticamente. Su mirada iracunda tropezó en sus caras y ellos se encogieron sobre sí mismos.

—¿Dónde ha de nacer este mesías? —lanzó la pregunta como si lanzara un dardo.

Sus miradas evitaban los ojos de Herodes. Corrían de uno a otro hasta detenerse otra vez en Hillel.

—La profecía habla claramente —dijo el rabino después de un momento de silencio.

Citó como si entonara un cántico—: «Y tú, Belén, Tierra de Judá, no serás la última entre las ciudades de Israel, porque en ti nacerá un jefe, que reinará sobre el pueblo de Israel…».

—¿Belén? —Herodes se alisó la barba que, como no estaba teñida, parecía salpicada de ceniza—. ¿Es esa miserable aldea que está aquí cerquita, cuna de la estirpe de David?

—No existe otro Belén —aseguró Polión—. Tienes razón, es una miserable aldea. La estirpe de David empobreció y perdió su importancia.

—No necesitas decírmelo —exclamó—, ya lo sé. Entonces, en este caso… —la mirada iracunda del rey recorrió las caras del círculo de hombres—. ¿Dónde va a nacer este mesías vuestro? ¿De dónde vendrá? ¿Quién será? ¿Qué esperáis, pregonándolo al populacho?

—No esperamos nada… —empezó tímidamente el gran sacerdote—. Tenemos nuestra fe, y entre sus verdades hay también profecías acerca del mesías… No podemos ocultarlas. Pero nosotros mismos tememos que el populacho pueda tomar al pie de la letra las palabras de las antiguas profecías…

Herodes se echó a reír mordazmente.

—¿Tenéis miedo? A ti te creo, suegro. Eres una persona con sentido común y sabes que cada fe tiene sus cosas incomprensibles. Pero estos —apuntó con el dedo a los fariseos— piensan de otra manera. Peroran sobre el mesías a diestro y siniestro —su repentina explosión de ira rompió el freno de la cautela—. ¿Creéis que no estoy enterado de que habéis participado en las conspiraciones de mi hijo?

En la sala se hizo un profundo silencio. Luego Polión y Samea exclamaron al unísono:

—¡No fuimos nosotros! ¡No fuimos nosotros, rey!

—Si no vosotros, vuestros compañeros.

—Hubo, es cierto, algunos locos que entraron en conversaciones indebidas… Fueron castigados.

—Y sin embargo inducís a la gente a no prestar juramento al emperador.

—Somos tus súbditos, rey, no de los Romanos.

—Vosotros mismos habéis apelado a los Romanos contra vuestros propios reyes… ¡Cuando os venga bien lo haréis de nuevo!

De un brinco se levantó de la cama. Estaba excitado. Corría de uno a otro lado gritando y amenazándoles con los puños.

—Hoy incitáis a los am-ha’arez contra los Romanos, mañana los incitaréis contra mí. ¡Os conozco muy bien! ¡Si os hiciera falta el rey Parto, os levantaríais para él contra mí y contra los Romanos! Adivino para qué han venido estos hombres. Este hablar del mesías y del Saoshyant no es más que una cortina de humo. Mi reino está ubicado en la frontera de dos potencias. Hay que decidirse: estamos con los Romanos o con los Partos. Yo he decidido: seré amigo del César. Cuando los Romanos están con nosotros, tenemos paz. Pero a vosotros os gustan las conspiraciones y tenéis vuestros propios planes. Para ellos queréis destruir lo que yo he construido. Estos hombres vinieron aquí en busca de aliados entre vosotros. Y vosotros también —se paró ahora delante de los sacerdotes y les amenazaba con el puño— os habéis dejado arrastrar. ¡Os creéis que los Romanos se dejarán expulsar por cualquier am-ha’arez, al que llamaréis mesías! ¡Nadie ha vencido a los Romanos!

Se interrumpió porque le faltó aliento. Tosiendo fuertemente se volvió a sentar en el lecho. Exhalaba un olor a cadáver que el humo aromático no conseguía neutralizar. Aprovechando que se había callado, los judíos intercambiaron una mirada de inteligencia. Simón tomó la palabra. Hablabla deprisa, febrilmente, la voz le temblaba.

—No nos acuses sin razón, yerno. Tu acusación es injusta. Preguntabas por la profecía y te hemos contestado según está escrito en los libros antiguos. Pero, tal como te dije, estas antiguas profecías no se sabe exactamente lo que significan. Nosotros estamos contigo. Te somos fieles. Sabemos cuánto has hecho por el reino. Si esos hombres han venido para buscar aliados e incitar a la rebelión, no los encontrarán entre nosotros. Nosotros no queremos rebeliones. Existe una profecía sobre el mesías, es cierto… El pueblo la conoce y espera al mesías. Hace siglos que está esperando. Nadie sabe exactamente quién va a ser ese mesías… Últimamente la gente empezó a delirar. Asocian el asunto del juramento con el asunto del mesías… Hay en esto algo de culpa de los fariseos… ¡Pero no de todos! Apreciamos al rabino Polión, al rabino Samea, veneramos al gran maestro Hillel… Pero en Galilea hay cabezas calenturientas, irresponsables. El rabino Polión ha dicho que aquellos fueron castigados… No queremos revueltas. No esperamos a ningún mesías que induzca a la rebelión. ¡No queremos un mesías semejante! Además, ¿para qué un mesías? Tenemos un rey, tenemos un césar… Reina la paz, el comercio se desarrolla, los caminos están seguros, hay tantas hermosas construcciones nuevas. A esos hombres que han venido, lo mejor sería… —no terminó, sino que hizo un movimiento muy expresivo—. Pero ya sé. No se puede. Son servidores de un gran rey. No les puede ocurrir nada desagradable. Entonces hay que alejarlos de alguna manera… Pero, rey, no nos acuses a nosotros; ¡somos fieles servidores!

El largo parlamento de Simón permitió a Herodes recuperar fuerzas. La ira volvió a replegarse en el fondo de su corazón. Escuchaba las palabras atemorizadas del gran sacerdote con la cabeza inclinada hacia el hombro y los ojos a medio cerrar. Gracias a la excitación se olvidó de su enfermedad. Era de nuevo él mismo: un zorro astuto.

—¿Y qué dice el rabino Hillel? —preguntó, cuando Simón dejó de hablar.

El anciano doctor levantó sobre Herodes los ojos medio cubiertos por las cejas. Dijo con la misma lentitud que antes:

—El gran sacerdote te ha asegurado, rey, que no somos rebeldes. Y de veras es así.

Creemos en la llegada del mesías… Algún día llegará sin lugar a dudas… Pero consideramos que no hay que apresurarse a reconocerlo. Cuando alguien grite:…«¡Llega el mesías!», un sabio auténtico no dejará que este grito turbe sus pensamientos, sino que lo considerará con calma. Porque la enseñanza de los doctores es tan importante y santa como las palabras de la Torah, y el Altísimo no interrumpirá su curso para enviar Su Ungido…

Los demás fariseos aprobaban las palabras del rabbí con un movimiento de cabeza.

Se sintió tranquilizado.

—Bueno —dijo—, los llamaré y les diré que vayan a Belén. Arreglaos para que nolo encuentren ni allí ni en otra parte. Que se convenzan de que no hay ningún mesías. Luego, cuando vuelvan aquí, les haré unos regalos y los mandaré de nuevo al reino de los Partos.

—Eres sabio, rey —admitieron varias voces—, como el mismo Salomón.

—Idos ya —les dijo él.

* * *

Solamente después de un buen rato se presentó el ataque. Aunque se retorcía de dolor, no dejaba de hacer proyectos para el futuro. Dijeron que era un rey sabio — pensaba—. Como su Salomón… Sin embargo no me fío de ellos… No importa, ya me las arreglaré. Si no fuera por este dolor… Como si estuviera empalado… Siempre seré más hábil que aquellos que creen que me van a engañar. ¡No ha nacido todavía el que me engañe! ¡Oh, si no fuera por este dolor!…

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Fuga para o campo, pudor ante o sagrado e a mística dos pobres


15ª Semana do Tempo Comum | Quarta-feira 
Primeira Leitura (Êx 3,1-6.9-12) 
Responsório (Sl 102,1-7) 
Evangelho (Mt 11,25-27) 

1. Depois do incidente com o egípcio, Moisés foi para o campo, onde permaneceu por décadas. Foi, pois, cuidar de seus assuntos. Casou, fixou-se em uma propriedade e ali permaneceu até que Deus o chamou. Moisés não buscou o poder, não mais procurou bancar o herói por iniciativa própria, foi simplesmente cuidar de sua vida. A iniciativa veio de Deus. No tempo determinado, Ele chamou a Moisés, Ele lhe deu poder, Ele o enviou ao Faraó, Ele libertou o seu povo da escravidão. O mesmo ocorreu com Davi, estava o rapaz pastoreando os campos e Deus por meio do profeta Samuel o unge como rei. Mas, há quem se incomode com isso. Há pouco tempo as redes sociais foram inundadas de rancor contra aqueles que buscam o que buscou Moisés, ir para o campo e lá permanecer com sua família. Estão, pois, abdicando da luta, desistindo da busca pelo poder, dizem os opositores indignados. Mas, por que alguém deveria se meter nessa encrenca senão em obediência a um mandato divino? Se houver uma restauração da Igreja antes do fim, será por iniciativa divina e não obra de mãos humanas... E se não houver, há que se cuidar da família, dar esmola aos pobres e suportar as perseguições que antecedem o fim. 

2. Antes de aproximar-se do Horeb, Deus ordena a Moisés que tire as sandálias, pois está a adentrar em um lugar santo. O profeta também cobre o rosto, é dito que não ousava olhar para Deus. Existe uma saudável dose de pudor e temor na lida com o sagrado. Nosso povo é um tanto quanto irreverente, e isso é perigoso... Estamos lidando com poderes que escapam a nossa compreensão e onde qualquer erro pode ter consequências dramáticas e catastróficas para a nossa vida tanto no tempo quanto na eternidade. 

3. Há que se ter cuidado para não cair na tentação democratista, a idolatria do povo, tão comum neste continente que no século passado se manifestou por meio da Teologia da Libertação e foi responsável pela vulgarização da arte litúrgica, seja na música, seja na oratória e na arquitetura. Dito isto, porém, não se deve desprezar o povo. Há de fato uma mística nos simples. Há realidades as quais Deus esconde dos sábios e entendidos mas revela aos pobres e pequeninos. Se não estamos neste último grupo, deveríamos pelo menos nos aproximar deles com sadia curiosidade, e procurar apreender aqueles mistérios o quais a Providência quis lhes confiar.

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Se esqueceram a José...


15ª Semana do Tempo Comum | Segunda-feira
Primeira Leitura (Êx 1,8-14.22)
Responsório (Sl 123)
Evangelho (Mt 10,34–11,1)

Por meio de José, Deus salvou o povo egípcio da fome. De algum modo, José apesar de estrangeiro fora um herói nacional para os egípcios, sendo recompensado pelo faraó com honra e poder. E por gratidão a José, os egípcios acolheram também sua família, seu povo teve morada naquela terra por cerca de 200 anos. Mas, como a memória dos povos é efêmera ... Aconteceu que um novo faraó chegou ao poder, um homem que não conhecera a José, e a relação dos egípcios ante os israelitas deixou de ser de gratidão para se transformar em temor. Aquele povo crescia rápido demais, estava se tornando numeroso e forte. O temor se transformou em ódio e os egípcios passaram a oprimir os hebreus, submetendo-os a escravidão.

José fora um varão abençoado por Deus, um santo veterotestamentário e, contudo, fora esquecido pelos egípcios. Se esqueceram a José, tanto mais não ocorrerá com homens não tão santos... Mas quantos ébrios não alimentam a ilusão de poder eternizar seu nome através da política, de que seus planos ecoem para além de sua vida por séculos a fio. Os anjos se riem de tal presunção.
Se esqueceram de José, quiçá de nós...

domingo, 11 de julho de 2021

Sukeban Deka: "Como eu odeio a fraqueza!"


Tal como ocorre com o vinho, onde a distância temporal e espacial torna certos exemplares tanto mais saborosos, o mesmo poderia se dizer da arte. Sukeban Deka é uma dessas obras onde o aspecto exótico e antigo a torna tanto mais interessante.

Ao chegar ao ocidente (mais especificamente aos EUA) a obra fora traduzida como Delinquent Girl Detective, o que não está de todo errado. Todavia é oportuno aprofundar um pouco a respeito do fenômeno tipicamente japonês das sukeban. Sob influência do lixo ideológico produzido pela Escola de Frankufurt, os EUA por meio de seu aparato cultural exportou para o mundo a degeneração pós-moderna: culto a juventude, promiscuidade sexual, rebeldia, drogas e feminismo. Ao chegar no Japão, esses anti-valores mesclaram-se com certos elementos marginais da cultura local, impulsionando o fenômeno das gangues juvenis. Surgiram os bancho (ou banchou) e as sukeban, sendo o primeiro termo usado para designar os delinquentes do sexo masculino e o segundo termo referência as moças. E como o Japão é um país de refinado senso artístico, tais grupos apresentavam um visual característico, uma estética própria, e uma organização interna curiosa; de tal forma que pouco depois do surgimento de tais grupos, a cultura pop tratou de dar-lhes um tom folclórico... Essa mitificação de elementos criminosos não é algo específico do Japão, os EUA fizeram o mesmo com a máfia no clássico O Poderoso Chefão, há na cultura popular brasileira um fenômeno análogo ante os cangaceiros de Lampião, e ainda antes de tudo isso houve a mitificação em torno dos antigos piratas, vikings, etc... Voltando as sukeban, inicialmente sua assimilação pela cultura pop japonesa se deu em um mercado nada honroso: a indústria pornográfica. Por algum motivo, os japoneses da época estavam cansados das mocinhas tímidas e submissas e passaram a idealizar essa rebeldia feminina. Um dos principais estúdios que lucrou com esse tipo de filme foi a Toei, que de forma um tanto quanto irônica é hoje um grupo especializado na produção da brinquedos e conteúdo infantil. [A maioria das informações deste parágrafo veio daquele lixo radioativo da Vice, se alguém quiser aprofundar nessa porqueira, segue o link]. Nesse contexto é que pouco tempo depois veio a surgir o mangá Sukeban Deka, que era um seinen, um gênero de mangás dirigido ao público adulto... Mas, alguém teve a brilhante ideia de pegar todo esse contexto complicado e transformar em uma obra juvenil, e assim nasceu o tokusatsu Sukeban Deka (embora alguns o considerem antes como um dorama, eu não entendo muito sobre essas classificações).

De certo modo, a obra subverte a subversão, ao transformar todos esses elementos adultos e marginais em uma forma de entretenimento mais leve, dirigido a um público mais amplo. A obra é protagonizada por Saki Asamiya, uma ex-sukeban em busca de redenção, que agora trabalha para uma organização policial secreta, afim de poupar sua mãe da cadeira elétrica, a qual fora condenada por assassinar o marido. Ao longo da primeira temporada, Saki é transferida (antes infiltrada) em diversas escolas afim de investigar diversos crimes. Afinal, se há ambientes de difícil penetração por um agente policial comum, quem iria desconfiar de uma garotinha do colegial? Ah, e não posso deixar de mencionar o elemento central na caracterização da personagem, seu ioiô. Ioiô? Pois é, ela combate criminosos armadas usando um mero ioiô, e também é capaz de dar mortais, usar poderosos golpes de artes marciais e levantar gente com duas vezes o peso dela. Não me pergunte como, é afinal um tokusatsu, uma série de ação para adolescentes, tipo um Power Rangers, esses elementos não precisam de explicação ou realismo, só está lá para encantar o público. E como não pode faltar em obras desse estilo, a série está recheada de frases de efeito sensacionais: "A trilha desta delinquente Saki Asamiya é uma trilha cheia de ruínas... Agora nesta era de decadência, se eu pudesse rir eu riria"; "Bastardos como vocês que cometem roubo por dinheiro... Para vocês minha alma nunca se rebaixará!".

A primeira temporada de fato surpreende, traz uma reflexões interessantes, tem um bom suspense que vai se aprofundando ao longo dos episódios, e o roteiro chega níveis inimagináveis para o público a qual se dirige (tratando a respeito de temas como estupro, traição e morte), sem falar que a estética dos anos 80, que comtemplada a décadas de distância adquire um charme tanto maior. Minha única crítica é que, apesar de um episódio com vagas referências estéticas ao catolicismo, a obra (tal qual ocorreu como Final Fantasy II) não consegue lidar muito bem a perspectiva cristã do perdão. A vingança e o ''nunca vou te perdoar'' dão o tom ao final da temporada. 

De todo o modo, é uma obra interessante, que vale a pena conferir.

***

Encerro esse texto com um pequeno apêndice descrevendo o sétimo episódio da primeira temporada, que traz uma reflexão interessantíssima sobre a necessidade da virtude da fortaleza:


Uma série de assassinato tem ocorrido com o corpo docente de um famoso colégio de elite. Saki, a Sukeban Deka, uma colegial detive (protagonista da trama) que trabalha para uma organização secreta superior a polícia, é transferida ao colégio, se infiltrando como uma das alunas para investigar o caso. Logo ao chegar na escola, se depara com uma cena estranha, as alunas sendo humilhadas em público, tendo seus cabelos cortados pelos professores na frente de todas as demais, como castigo, por insistirem em tentar reabrir o clube de arco e flecha.

Em conversas posteriores, Saki descobre que o clube fora fundado por um bondoso professor, Monma, e que através do desporto tinha tirado muitos alunas da delinquência, as ajudado a amadurecer e superar problemas pessoais e dramas da juventude. Monma era vítima da inveja dos colegas docentes, que em sua ausência invadiram e vandalizaram o clube. Uma das melhores alunas Yumi, na ocasião tentou defender o clube e assustar os desordeiros, fazendo com que uma flecha passasse de raspão ao rosto de um professor, que usou o episódio para humilha-la, expulsa-la do colégio, e encerrar definitivamente as atividades do clube. De posse de tais informações, Yumi é a principal suspeita, e Saki vai a sua procura. Depois de uma batalha entre as duas evolvendo dardos e ioiô, ambas se tornam amigas e Yumi lhe conta a sua história, e como ela é grata ao Monma e por respeito ao bom caminho que ele lhe ensinou ela resiste ao ímpeto vingativo de dar o troco nos demais professores.

A história avança de modo a revelar que o responsável pelos atentados é o agora demitido professor Monma. Yumi ao descobrir isso dá um jeito de deixar pertences seus na cena do crime afim de assumir a culpa e poupar o professor que tanto admirava. Inconformada com a amiga que sabe inocente levar a culpa, Saki vai atrás do verdadeiro culpado e entra em uma batalha contra Monma. Yumi volta a cena para proteger seu antigo professor. Saki derrota Yumi e confronta Monma. Pensa numa guria brava, Saki no diálogo em meio a batalha diz ao professor como ele foi fraco, como traiu os ideais de educação que ele defendida caindo facilmente no caminho da ira, como não só  apenas não foi capaz de proteger as alunas mas fez uma delas entrar em perigo por sua causa. O professor está insensível,  louco de raiva que não pensa em mais nada senão atirar flechas. No fim Saki derrota o infeliz e vai embora com raiva dele e da Yumi. De nada adianta belos ideais sem força para defendê-los... Monma não foi capaz de proteger nem a si mesmo, nem suas alunas, colocando-as em maior perigo. Sua derrota e desmoralização também serviriam para manchar seus ideais e dar razão aos demais professores imbecis que maltratam as alunas, que saíram todos impunes.



Saki odeia a fraqueza. Quiçá façamos nós o mesmo.

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Escravos da terra?


14ª Semana do Tempo Comum | Sexta-feira
Primeira Leitura (Gn 46,1-7.28-30)
Responsório (Sl 36)
Evangelho (Mt 10,16-23)

Na primeira leitura estamos ante a cena da migração do patriarca Jacó e sua família para o Egito. A fome o obrigou a deixar a terra de Canaã. O patriarca estava receoso, pois aquela era a terra da promessa da qual era herdeiro, a terra onde fora sepultado seus pais, mas Deus o tranquiliza, reafirmando que no tempo oportuno sua descendência voltaria aquele lugar (e voltou, embora tenham se passado cerca de alguns séculos).

No Evangelho, Cristo instrui os apóstolos acerca da missão. Há vários trechos preciosos, mas hoje me limito a destacar apenas um, que está em consonância direta com a primeira leitura, diz Nosso Senhor: <Se vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade eu vos digo: não acabareis de percorrer as cidades de Israel antes que volte o Filho do Homem. (Mt 10, 23)>.

Não somos, pois, escravos da terra. Se algum ambiente nos é prejudicial, não precisamos ter escrúpulos de deixá-lo se há algo melhor à vista. Seja esse ambiente uma paróquia, uma cidade, um país, ou coisas mais simples como determinado círculo de amigos, um emprego ruim, um relacionamento inadequado (ainda não consumado em matrimônio, depois que casou já era, estão ligados até a morte) ou certo paradigma intelectual. A falta dessa sã prudência faz com que muitas pessoas se aborreçam em demasia e tornem sua vida mais amarga do que deve ser... Se a Jacó fora lícito migrar de Canaã, a terra prometida, durante um período de crise, quiçá para nós...

terça-feira, 6 de julho de 2021

O combate de Jacó


14ª Semana do Tempo Comum | Terça-feira
Primeira Leitura (Gn 32,23-33)
Responsório (Sl 16)
Evangelho (Mt 9,32-38)

A primeira leitura de hoje nos coloca ante a cena do misterioso combate de Jacó. O santo patriarca passa a madrugada pelejando contra um misterioso ser, o resultado da luta chega pouco antes da aurora, onde Jacó é ferido no nervo da coxa. Após o combate, por sua valentia, Jacó conquista um novo nome: a partir daquele momento seria conhecido por Israel. Comumente se identifica seu adversário como sendo um anjo, entretanto para São Justino se trata de alguém infinitamente mais poderoso, ninguém menos que a segunda pessoa da santíssima trindade, o Cristo.

Ainda que tenhamos deixado o tempo dos excessos puritanos, não raro vemos manifestações contrárias aos esportes de combate motivadas por afetações pacifistas. Diz-se que é coisa de bárbaros, se procura estender inadvertidamente a condenação dos duelos a toda e qualquer peleja, etc etc... Como poderia, pois, o desporto, o combate recreativo ser algo condenável se o próprio Deus desceu dos altos céus, para lutar com o santo patriarca? Se Ele quis provar a força de Jacó, fazendo da luta uma espécie de rito de passagem que cuja coração seria expressa com a troca do nome para Israel?

Que a meditação do combate em Fanuel toque nossos corações, e desperte nos varões a paixão pelas artes marciais e os desportos de combate, meio adequado para o cultivo e expressão da virtude da fortaleza.

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Sonhos, promessas, relíquias, milagres...


14ª Semana do Tempo Comum | Segunda-feira
Primeira Leitura (Gn 28,10-22a)
Responsório (Sl 90)
Evangelho (Mt 9,18-26)

Até alguns anos atrás, a liturgia de hoje seria perfeitamente compreensível ao povo brasileiro, quase que uma expressão de algumas de nossas práticas religiosas... Hoje eu já não sei.

Na primeira leitura, Jacó tem em sonhos uma visão, uma experiência mística tremenda. Depois de acordar, faz uma promessa ao Senhor e consagra aquele lugar ao Altíssimo. No Evangelho, se repte a cena que comtemplamos alguns dias atrás, a ressureição da filha de Jairo, e a cura da hemorroíssa. A mulher é curada após tocar tão somente a orla do manto de Jesus.

Sonhos, promessas, relíquias, milagres... Em tempos medievais e, não tão remotamente. em um passado próximo em nosso país, o povo simples tinha tais elementos como parte essencial de sua prática religiosa. Quem nunca ouviu a história de um bisavô que após um determinado sonho resolve apostar no jogo do bicho ou empreender determinado negócio, e ao fim consegue prosperar? Ou então que ignorou alguns presságios anunciados também em sonho e teve grandes problemas? Quem não tem um parente que prometeu peregrinar até algum grande santuário caso viesse a alcançar determinada graça? Ou quem sabe um doente que atribui sua cura ao tocar determinada relíquia ou imagem milagrosa? Não há em muitas cidadezinhas do interior histórias curiosas sobre locais sagrados, onde palco de experiências místicas diversas?

Todavia, tais elementos parecem estar se apagando do imaginário popular e a religião vai se imanetizando: demandas por reformas sociais e conflitos entre ''times'' eclesiais vem ocupando o centro da vida da Igreja no Brasil... Estamos abandonando o espanto e admiração, o desejo de comtemplar e participar dos mistérios divinos, para embriagar-nos na disputa pelo poder. A religiosidade antiga soa as novas gerações como demasiado crédula e supersticiosa, e a religião moderna coloca o divino em segundo plano para focalizar em demasia o humano.

"É muita cachaça e pouca oração", disse recentemente o Papa brincando a respeito do povo brasileiro. Quem dera fosse a cachaça... Mas é algo tanto pior: muita política, pouca cachaça e pouca oração.

quarta-feira, 30 de junho de 2021

Simbolismo, bastardia e animais endemoniados


13ª Semana do Tempo Comum | Quarta-feira
Primeira Leitura (Gn 21,5.8-21)
Responsório (Sl 33)
Evangelho (Mt 8,28-34)

1. Há tantos ensinamentos e tamanho simbolismo envolto na primeira leitura de hoje que é suficiente para nos deixar com dor de cabeça... Estamos ante a cena em que Sara começa a ficar enciumada da escrava egípcia Agar e seu filho Ismael, torrarando a paciência de Abraão para que ele os mande embora.

Em primeiro plano vemos os problemas domésticos gerados pela poligamia e como esse tipo de relação gera um ambiente bem complicado. Se uma esposa brigando com o sujeito já é difícil, imagina duas brigando com ele entre si e os filhos de umas com as outras, agora imagine três ou quatro, um verdadeiro inferno emocional. 

Em segundo lugar há um ensinamento a respeito do direito natural contra o falso dogma da igualdade. O filho legítimo, o filho da promessa, tem tanto mais direitos que o bastardo. Isaac herdou o legado e a missão de Abraão, Ismael ficou excluído desta. Todavia, apesar disso, não deixou de receber a benção divina: tornou-se um hábil arqueiro e um poderoso guerreiro, bem como deu origem a uma descendência forte e numerosa. Bastardos não tem os mesmos direitos dos filhos legítimos, mas isso não significa de maneira alguma que se trate de uma existência amaldiçoada.

Em terceiro lugar vemos nos dois irmãos figuras da Igreja e da Sinagoga. Os judeus são Ismael, filhos de Abraão segundo a carne tão somente, os cristãos são Isaac, filhos segundo a promessa, que herdaram a fé no Senhor Javé e acolheram o seu Cristo.

Em quarto lugar, vemos certa ironia do destino... Ágar era uma egípcia escrava de uma família hebreia, daí há alguns séculos a situação iria se inverter, e os hebreus se veriam na condição de escravos dos egípcios. A história tem seus ciclos, nenhuma posição de poder terrena é estável e eterna - tal atributo, a estabilidade perpétua, é reservada tão somente aos pilares dos céus. 

2. E após expulsar os demônios dos possessos gadarenos eles se dirigiram aos porcos. A cena do Evangelho de hoje trás consigo uma informação um tanto quanto assustadora, além de atormentar pessoas e fazer uso de seus corpos, os demônios também podem usar dos animais.

Como vivemos na cidade e não mais nas matas, raramente tivemos de nos confrontar com um animal naturalmente enfurecido, talvez no muito algum cão mais ou menos descontrolado. Não tivemos de lidar com cobras, touros,  onças e javalis. Se o aspecto da fúria natural nos é estranho, e suficientemente apavorante, quão terrível não se mostrará o confronto com seres inflamados por uma fúria preternatural? Tomara que nunca tenhamos de lidar com tais criaturas, pois dificilmente sobreviveríamos para contar a história...

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Exercícios - Verbos (I)



VALORES DOS TEMPOS VERBAIS

01) (CESPE / UNB / TST / SUPERIOR / 2008) Articulação – Qual seria o conceito de trabalho mais apropriado para o movimento de mulheres? O que deveria estar presente nesse conceito?
Os tempos verbais usados nas perguntas apresentadas nas linhas de indicam que, na visão do entrevistador, as respostas a essas perguntas independem do entrevistado e são atemporais.

02) (CESPE / UNB / TST / TÉCNICO / 2008) Pesquisas constatam doses crescentes de pessimismo diante do que o futuro esteja reservando aos que habitam este mundo, com a globalização exacerbando a competitividade e colocando os Estados de bem-estar social nos corredores de espera de cumprimento da pena de morte.
Preserva-se a correção gramatical e a coerência textual ao se substituir “esteja” por está, mas perde-se a ideia de hipótese, de possibilidade que o modo subjuntivo confere ao verbo.

03) (CESPE / UNB / INCA / SUPERIOR / 2010) Um dos aspectos mais notáveis da aventura do homem ao longo da história tem sido seu constante anseio de buscar novas perspectivas, abrir horizontes desconhecidos, investigar possibilidades ainda inexploradas, enfim, ampliar o conhecimento. Seriam preservadas a correção gramatical do texto, bem como a coerência de sua argumentação, se, em lugar de “tem sido”, fosse usada a forma verbal é; no entanto, a opção empregada no texto ressalta o caráter contínuo e constante dos aspectos mencionados.

04) (CESPE / UNB / DELEGADO / PC / TO / 2008) Será que um computador também seria capaz de encontrar o verdadeiro assassino? Durante um curso da Universidade de Essen, os alunos testaram diversos programas concebidos em estudos sobre inteligência artificial (I(A).
Para isso, utilizaram o caso apresentado em O Mistério do Baú Espanhol, servindo-se da IA para desvendar as estratégias intelectuais do detetive Poirot. A grande questão era se a IA era capaz desse exercício intelectual ou se apenas fazia uma boa imitação da inteligência humana.
Interessava saber se apresentaria características que poderiam ser associadas a um comportamento inteligente. O objetivo era verificar se o software conseguiria descobrir o assassino tão rapidamente quanto Poirot.
No segmento “se a IA era capaz desse exercício intelectual ou se apenas fazia uma imitação da inteligência humana”, as formas verbais poderiam ser corretamente substituídas por seria e faria, respectivamente.

05) (CESPE / UNB / Banco do Brasil S.A. / 2008) É apressado asseverar que essa expansão do segmento possa gerar maior concorrência no setor. Vale lembrar, apenas como comparação, que a chegada dos bancos estrangeiros (nos anos 90) não surtiu o efeito esperado quanto à concorrência bancária.
O emprego do subjuntivo em “possa” justifica-se por se tratar de uma afirmação hipotética.

06) (CESPE / UNB / 2008) Há algo que une técnicos e humanistas. Ambos se creem marcados por um fator distintivo, inerente a seus cérebros: o dom da inteligência, que os apartaria do trabalhador manual ou mecânico. Gramsci percebe nessa crença um ranço ideológico da divisão do trabalho:
A forma verbal “apartaria” está flexionada no futuro do pretérito porque denota uma ação que compõe uma hipótese, uma suposição.

07) (CESPE / UNB / TSE / 2007) A governabilidade só existe verdadeiramente com uma oposição atuante, que sinalize os problemas existentes e discuta os seus encaminhamentos.

O emprego do subjuntivo em “sinalize” e “discuta” justifica-se por compor um período de natureza explicativa.

08) (UnB / CESPE / SEAD / CEHAP / PB / 2009) Depósitos de lixo saem caro ao meio ambiente e ao orçamento da cidade, mesmo depois de desativados. Ecologistas e estudiosos do assunto alegam que a opção por aterros é uma aberração e um erro na condução do problema causado pelo lixo. Para eles, a educação seria uma das opções mais corretas e capazes de promover a preservação ambiental. O enfrentamento da questão, de maneira global, seria a saída para diminuir o volume de lixo produzido. O reúso e a reciclagem são outros componentes tidos como obrigatórios quando se planeja livrar a cidade das toneladas de lixo geradas diariamente. Elas se transformam em montanhas enormes, onde se misturam restos de alimentos com materiais que poderiam ter novas utilizações, levando a um novo ciclo econômico. Disso resultaria a oferta de oportunidades de trabalho, renda e dignidade para uma significativa parcela da população local.
O emprego do futuro do pretérito em “seria” e “resultaria” indica a possibilidade de realização, no futuro, das noções expressas por essas formas verbais.

09) (UnB / CESPE / TRE / GO / Analista Judiciário / 2009) No texto, um fato ou estado considerado em sua realidade está expresso pelo verbo sublinhado em

(A) “a verdade estaria inscrita”.
(B) “o interesse circunscrevia-se”.
(C) “não haveria mais uma verdade filosófica”.
(D) “o significado de verdade seria o de expressão”.

10) (UnB / CESPE / MRE / IRBr / 2009) A Organização dos Estados Americanos (OEA) naufraga em um mar de alternativas regionais, cujo acento maior é a exclusão dos EUA. É o caso da proposta de uma nova organização de países da América Latina e Caribe, que se junta a outras iniciativas do mesmo teor, como o Grupo do Rio e a UNASUL. O poder de Washington já fora avisado por instituições acadêmicas norte-americanas de que a OEA corre o risco de perder vigência. Seria a quebra do mais importante elo da cadeia de ações coletivas envolvendo América Latina e EUA, com a predominância histórica dos norte-americanos.

A forma verbal “Seria” está no futuro do pretérito e indica ma ação que provavelmente poderia ter acontecido no passado.

11) (UnB / CESPE / TCE RN / SUPERIOR / 2009) Por isso, ela continua sempre atual, continua a nos falar hoje sem que nenhum de nós também se julgue seu destinatário privilegiado ou seu decodificador absoluto.

O uso do modo subjuntivo em “julgue” é exigido pela estrutura sintática em que ocorre; se fosse retirada a conjunção “que” da oração subordinada, o modo empregado deveria ser o infinitivo: julgar.

12) (UnB / CESPE / IBAMA / 2009) Foi por participar de um ato público, em 1980, que Chico Mendes passou a ser fichado e perseguido pelos militares.

O verbo “participar” está empregado, no período, como termo substantivo.

13) (UnB / CESPE / FINEP / ANALISTA / 2009) Talvez possamos escapar das cobranças sendo mais naturais, cumprindo deveres reais.

A ideia de suposição ou hipótese seria retirada do texto, mas a coerência entre os argumentos e a correção gramatical seriam mantidas se, em lugar do subjuntivo, fosse usado o modo indicativo em “possamos”: podemos.

14) (UnB / CESPE / FUB / 2009) Escutai; a anedota é curta
A forma verbal “Escutai” está flexionada no modo subjuntivo e indica a incerteza do falante a respeito do que está dizendo.

15) (UnB / CESPE / SECONT ES / AUDITOR / 2009) ...a linha que ligará o Rio de Janeiro a São Paulo, a 360 km/h, deverá ir a leilão até o fim do ano...
A substituição da locução verbal “deverá ir” pela forma verbal irá mantém a correção gramatical do texto e as ideias nele originalmente expressas.

16) (UnB / CESPE / BB / ESCRITURÁRIO / 2009) Ainda que os bancos continuem ganhando muito dinheiro com a dívida pública, os resultados espetaculares devem-se...
O emprego do modo subjuntivo em “continuem” indica que a argumentação ressalta uma hipótese; pois, se não o fosse, a opção correta seria pela forma de indicativo: continuam.

17) (UnB / CESPE / FINEP / ANALISTA / 2009) Talvez possamos escapar das cobranças sendo mais naturais, cumprindo deveres reais.
A ideia de suposição ou hipótese seria retirada do texto, mas a coerência entre os argumentos e a correção gramatical seriam mantidas se, em lugar do subjuntivo, fosse usado o modo indicativo em “possamos”: podemos.

18) (UnB / CESPE / TRT 17 / MÉDIO / 2009) Novos valores culturais, que poderão vir a ajudar a reduzir o déficit e as desigualdades existentes em nosso país...
Mantêm-se a correção gramatical e o sentido do texto ao se substituir a expressão “poderão vir a ajudar” por ajudarão.

19) (UnB / CESPE / TRE MA / ANALISTA / 2009) O Brasil não dispunha de uma lei que regulamentasse claramente os direitos e deveres das empresas...
Em “O Brasil não dispunha”, o verbo dispor está no presente.

20) (UnB / CESPE / MRE / IRBr / 2009) Em meio a uma crise global sem precedentes, nossos países estão descobrindo que não são parte do problema.
A substituição de “estão descobrindo” por descobrem prejudica a correção gramatical do período.

21) (UnB / CESPE / ABIN / 2008) Um homem do século XVI ou XVII ficaria espantado com as exigências de identidade civil a que nós nos submetemos com naturalidade.
A ideia de suposição expressa na forma verbal “ficaria” permite o emprego de submetermos, forma verbal no modo subjuntivo, em lugar de “submetemos”, sem que se prejudiquem a coerência e a correção gramatical do texto.

22) (UnB / CESPE / NECROTOMISTA / PB / 2009) ...estabeleciam aquele tipo de situação em que cidadãos sentem-se nocauteados...
A forma verbal “estabeleciam” é derivada do verbo estar e está no futuro do pretérito.

23) (UnB / CESPE / NECROTOMISTA / PB / 2009) Configurava-se, assim, uma dupla violência: uma é aquela que ceifa vidas, que mutila, que estropia, lesiona com gravidade pessoas inocentes...

A forma verbal “lesiona” está no presente do subjuntivo de um verbo da primeira conjugação.

24) (UnB / CESPE / NECROTOMISTA / PB / 2009) ...manifesta-se quando a sociedade sente-se imobilizada...
A forma verbal “imobilizada” está utilizada como particípio de um verbo irregular: imobilizar.

25) (UnB / CESPE / SEAD CEHAP / SUPERIOR / 2009) O ser, de modo geral, só é possível nas dimensões reais e objetivas do espaço e do tempo.
O termo “só é possível” indica que “ser” está empregado como verbo, não como substantivo, sinônimo de pessoa.

26) (UnB / CESPE / TCE AC / ANALISTA / 2009) A verdade é que a culpa acabará genericamente atribuída à tecnologia.
O uso do futuro do presente em “acabará” expressa que a verdade referida ainda não foi comprovada.

27) (CESPE / UNB / IRBr) Na forma verbal “revelaria”, a terminação –ria exprime ideia de hipótese ou possibilidade.

●●●●●●● ■ ■ ■ ●●●●●●● 

GABARITO

1) E
2) C
3) C
4) C
5) C
6) C
7) E
8) C
9) B
10) E
11) C
12) E
13) E
14) E
15) E
16) E
17) E
18) E
19) E
20) E
21) E
22) E
23) E
24) E
25) E
26) E
27) C

Exercícios - Tipologia Textual


Entre os maiores obstáculos ao pleno desenvolvimento do Brasil, está a educação. Este é o próximo grande desafio que deve ser enfrentado com paciência, mas sem rodeios. É a bola da vez dentro das políticas públicas prioritárias do Estado. Nos anos 90 do século passado, o país derrotou a inflação — que corroía salários, causava instabilidade política e irracionalidade econômica. Na primeira década deste século, os avanços deram-se em direção a uma agenda social, voltada para a redução da pobreza e da desigualdade estrutural. Nos próximos anos, a questão da melhoria da qualidade do ensino deve ser uma obrigação dos governantes, sejam quais forem os ungidos pelas decisões das urnas.

01) (CESPE / UnB / INCA / MÉDIO / 2010) A expressão “bola da vez” é empregada, no texto, em sentido denotativo ou literal.

02) (CESPE / UnB / INCA / MÉDIO / 2010) A palavra “ungidos”, que, no dicionário, significa consagrados, foi empregada em sentido conotativo e equivale a escolhidos, convalidados.

Criada em 1983 pela doutora Zilda Arns, a Pastoral da Criança monitora atualmente cerca de 2 milhões de crianças de até 6 anos de idade e 80 mil gestantes, com presença em mais de 3,5 mil municípios em todo o país, graças à colaboração de 155 mil voluntários. A importância da Pastoral é palpável: a média nacional de mortalidade infantil para crianças de até 1 ano, que é de 22 indivíduos por mil nascidos vivos, cai para 12 por mil nos lugares atendidos pela instituição. Na primeira experiência da Pastoral, em Florestópolis, no Paraná, a mortalidade infantil despencou de 127 por mil nascimentos para 28 por mil — em apenas um ano. Sua metodologia é simples — por meio de conversas frequentes com a família, o voluntário receita cuidados básicos para evitar que a criança morra por falta de conhecimento, como os hábitos de higiene, a administração do soro caseiro e a adoção da farinha de multimistura na alimentação, que se tornou uma solução simples e emblemática contra a desnutrição. Mas o seu segredo é um só: a persistência.

03) (CESPE / UnB / INCA / MÉDIO / 2010) Esse texto é  predominantemente narrativo.

A disseminação do vírus H1N1, causador da gripe denominada Influenza A, ocorre, principalmente, por meio das gotículas expelidas na tosse e nos espirros, do contato com as mãos e os objetos manipulados pelos doentes e do contato com material gastrointestinal. O período de incubação vai de dois a sete dias, mas a maioria dos pacientes pode espalhar o vírus desde o primeiro dia de contaminação, antes mesmo do surgimento dos sintomas, e até aproximadamente sete dias após seu desaparecimento. Adverte-se, pois, que as precauções com secreções respiratórias são de importância decisiva, motivo pelo qual são recomendados cuidados especiais com a higiene e o isolamento domiciliar ou hospitalar, segundo a gravidade de cada caso.

04) (CESPE / UnB / INCA / MÉDIO / 2010) Esse texto é predominantemente dissertativo.

Ética, cidadania e segurança pública são valores entrelaçados. Não pode haver efetiva vigência da cidadania em uma sociedade que não se guie pela ética. Não vigora a ética onde se suprima ou se menospreze a cidadania. A segurança pública é direito do cidadão, é requisito de exercício da cidadania. A segurança pública é também um imperativo ético.
A luta pela ética, pela construção da cidadania e pela preservação da segurança pública não constitui dever exclusivo do Estado. Cabe ao povo, às instituições sociais, às comunidades, participar desse processo político de sedimentação de valores tão essenciais à vida coletiva.
Internet: <www.dhnet.org.br> (com adaptações).

05) (CESPE / UnB / INCA / MÉDIO / 2010) Esse texto é predominantemente narrativo.

A análise realizada em diferentes amostras de bandeiras do Brasil vai ao encontro das diretrizes do Programa de Análise de Produtos, no que diz respeito à seleção de produtos consumidos intensiva e extensivamente pela população. As bandeiras, oficiais ou não, são usadas em particular em períodos comemorativos, na maioria das vezes relacionados aos esportes, ou em datas festivas, tais como a Copa do Mundo de Futebol e o dia da Independência do Brasil.
Existiram diferentes versões da Bandeira Nacional, antes da que conhecemos, que foi instituída logo após a proclamação da República, no dia 15 de novembro de 1889. Ela ainda sofreu algumas influências da bandeira utilizada nos tempos do Império, e a frase “Ordem e Progresso” inspira-se diretamente no lema do movimento positivista de Auguste Comte, ocorrido na França, no século XIX: “o amor por princípio e a ordem por base; o progresso por fim”.
As quatro cores da Bandeira Nacional representam, simbolicamente, as famílias reais das quais descende D. Pedro I, idealizador da bandeira do Império. Com o passar do tempo, essa informação foi sendo substituída por uma adaptação feita pelo povo brasileiro. Dentro desse contexto, o verde passou a representar as matas; o amarelo, as riquezas do Brasil; o azul, o seu céu e o branco, a paz que deve reinar no país.
As constelações que figuram na Bandeira Nacional correspondem ao aspecto do céu, na cidade do Rio de Janeiro, às 20 h 30 min do dia 15 de novembro de 1889. As 27 estrelas da nossa bandeira foram inspiradas nas constelações presentes no céu do Rio de Janeiro e representam simbolicamente os 26 estados e o Distrito Federal.
De acordo com a legislação brasileira que trata da Bandeira Nacional, seu hasteamento — obrigatório em órgãos públicos em dias de festa ou de luto nacional — deve ser realizado pela amanhã e seu recolhimento, na parte da tarde. A bandeira não pode ficar exposta à noite, a não ser que esteja bem iluminada.
Há alguns anos, o INMETRO analisou aspectos dimensionais de bandeiras nacionais expostas à venda na época. Naquele momento, todas as marcas analisadas foram consideradas não conformes aos requisitos dimensionais estabelecidos pela legislação brasileira.
Este relatório contém informações sobre as amostras analisadas e os ensaios realizados, apresenta e discute os resultados obtidos, além de fornecer informações úteis para o consumidor para que se entenda o significado do seu símbolo nacional e para que se realize uma compra satisfatória, ao observar se a bandeira brasileira a ser adquirida está de acordo com as especificações técnicas.
Internet: <www.inmetro.gov.br> (com adaptações).

06) (CESPE / UnB / INMETRO / SUPERIOR / 2010) Predomina no texto o caráter informativo, visto que ele usa linguagem figurada e metafórica para abordar o tema da Bandeira Nacional.

07) (CESPE / UnB / INMETRO / SUPERIOR / 2010) Predomina no texto o gênero descritivo, tendo em vista que ele apresenta com pormenores fatos históricos e características materiais da bandeira do Brasil.

08) (CESPE / UnB / INMETRO / SUPERIOR / 2010) Predomina no texto o tipo textual argumentativo, já que se defende a importância do conhecimento das especificidades da Bandeira Nacional.

09) (CESPE / UnB / INMETRO / SUPERIOR / 2010) Predomina no texto o aspecto expositivo, pois ele se limita a apresentar fatos relativos ao significado dos elementos que compõem a Bandeira Nacional e à análise realizada pelo INMETRO.

10) (CESPE / UnB / INMETRO / SUPERIOR / 2010) Predomina no texto a narração, pois ele conta a história da Bandeira Nacional.

Nosso primeiro contato com os índios juruna falhou. Descíamos o Xingu e, abaixo do rio Maritsauá, vimos um acampamento na praia, muito bonito. Fomos até lá e os índios fugiram em canoas. Saímos com nossos barcos a motor atrás de uma canoa com dois índios. Quando perceberam que estavam sendo seguidos, encostaram a canoa na margem e fugiram para a mata.
Visão, 10/2/1975

11) (CESPE / UnB / ADAGRI / CE / SUPERIOR / 2010) O parágrafo acima é predominantemente argumentativo.

(...) Enquanto a linguagem científica, ao mesmo tempo em que coibia qualquer afirmação inconsistente e subjetiva, moldava-se na forma de prosa a fim de poder refletir o real, o mundo da physis moderna consistia em um mundo essencialmente a-histórico, regular, ordenado e organizado por leis fixas, onde não havia espaço para a contradição ou considerações subjetivas. Assim, as formas de conhecimento que buscassem se submeter ao estatuto científico deveriam proceder a um exorcismo quanto a todas as noções equivocadas presentes em seus corpos. A astronomia deveria se divorciar da astrologia, como a química da alquimia e a medicina das noções místicas.
Outros ramos do conhecimento, como a filosofia, o direito, as artes, a literatura, a teologia e o senso comum não gozavam do mesmo status da confiabilidade da ciência, pois a divisão do paradigma os havia situado no universo incerto da subjetividade.
Maurício S. Neubern. In: Complexidade & Psicologia Clínica. Brasília: Plano, 2004, p. 21-3 (com adaptações).

Julgue os seguintes itens, a respeito da organização das ideias no texto acima.

12) (CESPE / UnB / ANAC / SUPERIOR / 2010) A seguinte afirmação preenche coerentemente o lugar da indicação de supressão do trecho inicial do texto: Na evolução da mitologia para a ciência, ao sistematizar o conhecimento científico, a humanidade palmilhou caminhos de subjetividade e poesia para explicar as origens do homem e justificar a história de sua existência no mundo.

13) (CESPE / UnB / ANAC / SUPERIOR / 2010) Nesse fragmento, predominantemente argumentativo, a utilização de ilustrações que comprovam a tese defendida aparece sob a forma de trechos narrativos, como os seguintes: “moldava-se na forma de prosa a fim de poder refletir o real” e “A astronomia deveria se divorciar da astrologia, como a química da alquimia e a medicina das noções místicas”.

14) (CESPE / UnB / ANAC / SUPERIOR / 2010) Na argumentação do texto, são construídas, por meio de estruturas linguísticas e relações lógicas, verdades que se legitimam dentro do universo textual apresentado, independentemente de essas ideias serem comprovadas no mundo empírico.

15) (CESPE / UnB / ANAC / SUPERIOR / 2010) Infere-se, a partir das relações de significação do texto, que as “noções equivocadas presentes em seus corpos” são as características a-históricas, organizadas por leis fixas que exorcizam “Outros ramos do conhecimento”.

16) (CESPE / UnB / ANAC / SUPERIOR / 2010) A organização lógica que norteia a orientação argumentativa do texto opõe formas de conhecimento consideradas de prestígio a formas de conhecimento menos prestigiadas; enquanto o prestígio das primeiras baseia-se na objetividade do estatuto científico, o desprestígio das segundas fundamenta-se na valorização do universo incerto da subjetividade.

●●●●●●● ■ ■ ■ ●●●●●●● 

GABARITO

1) Errado
2) Certo
3) Errado
4) Certo
5) Errado
6) Errado
7) Errado
8) Errado
9) Certo
10) Errado
11) Errado
12) Errado
13) Errado
14) Certo
15) Errado
16) Certo

terça-feira, 22 de junho de 2021

Desprezo


12ª Semana do Tempo Comum | Terça-feira
Primeira Leitura (Gn 13,2.5-18)
Responsório (Sl 14)
Evangelho (Mt 7,6.12-14)

Senhor, quem há de morar em vosso tabernáculo?
Quem habitará em vossa montanha santa?
[...]
O que tem por desprezível o malvado,
mas sabe honrar os que temem a Deus (Sl 14, 1. 4ab.)

Pena que nem sempre aprendemos a desprezar. Há quem esteja de tal maneira sobressocializado que acredite ser uma espécie de pecado não fazer coro a louvação que se dá a certas figuras mundanas, porém populares, que nada tem de admiráveis desde uma perspectiva cristã. Outros há que confundem desprezo com ódio e fazem da vida uma militância contra tais figuras, acabando por fim, vivendo em função delas.

O desprezo é uma forma de desdém, de indiferença. Que os idiotas estejam louvando o palhaço da semana é problema deles, há mais o que fazer. Devemos pois direcionar nossa admiração aqueles que temem a Deus, tanto mais se eles forem gente comum, que passa despercebida ante o teatro profano, e cuja nossa admiração possa se manifestar em auxílio concreto. O que, contudo, não exclui nossa admiração aqueles que já não estão entre nós e foram elevados a honra dos altares, que devem ter sua memória perpetuada entre os bons.

domingo, 20 de junho de 2021

Digressões Ecológicas

12º Domingo do Tempo Comum
Primeira Leitura (Jó 38,1.8-11)
Responsório (Sl 106)
Segunda Leitura (2Cor 5,14-17)
Evangelho (Mc 4,35-41)

A liturgia de hoje é bem interessante, pois ressalta a soberania de Deus e seu domínio sobre a criação. Na primeira leitura temos um trecho extraído do livro de Jó, onde de forma poética é narrado como Deus estabeleceu os limites dos mares. O salmo trás um trecho que até então me havia passado despercebido, basicamente é a história (cantada) de um grupo de marinheiros, que pegos por uma assustadora tempestade, oraram a Deus e foram salvos. Eu sinceramente não conhecia esse salmo, e olha que me considero velho nesse negócio de catolicismo. E no Evangelho temos a cena em que Cristo repreende vento e manda que o mar se cale, colocando fim a uma tempestade que aterrorizava os apóstolos.


Em outra ocasião já falei eu a respeito do conceito de tecnosfera. É a camada sintética construída pelo homem sobre a terra e, com o avançar das eras, está se distanciando cada vez mais da criação ou da natureza, se preferirem o termo dos incautos. E durante essa pandemia, com as medidas quarentenárias estamos mais imersos na tecnosfera do que nunca. Isso não constituí em si pecado, mas esse nosso estilo de vida vai nos deixando meio bobos. No mar, sob o perigo de uma dolorosa tormenta, sob a ameaça de furacões, ante a  o risco do ataque iminente de feras no mato, sob a dinâmica do ciclo das estações no campo, o homem aprende a ser mais paciente, humilde e piedoso, e se lembra de Deus mais facilmente. Dentro dessa nossa redoma tecnológica, recheada de tantas distrações, apartada do contato com a criação, esquecemos d' Ele, focamos demais em nossos problemas ''sociais'' esquecendo os dados da natureza, a tal ponto de muitos caírem na loucura de acharem que o mundo é uma massinha de modelar pronto a ser moldado segundo nossas fantasias não muito saudáveis. Creio que apartar-se um pouco dessa redoma social-tecnocrática, ainda que por breves períodos, e ter mais contato com o mundo natural, com  a criação, fariam de nossos contemporâneos ficarem um pouquinho melhores da cabeça, tipo como aquela pintura gnóstica de doutrina ruim, mas arte bacana, sabe?

Nesse sentido a encíclica Laudato Si' tinha potencial. Mas, infelizmente foi mau aproveitado, o documento foi absorvido com viés político cafona, e gerou aquelas pachamamadas e outras bobagens sincréticas. Mas o texto não era também muito bom (embora não fosse absolutamente ruim), tive a impressão que o pontífice e seus ghost writer's escreveram uma teologia ecológica de gabinete, com base mais nas ideias meio românticas da própria cabeça, que uma vivência e um contato íntimo com a criação. Sobre a tal espiritualidade ecológica, por exemplo, não tinha nada que macaquear as superstições pagãs dos índios sul-americanos, bastava valorizar alguns elementos tradicionais e esquecidos da mística cristã. Quer exemplo maior de interação com o meio natural que o jejum das quatro têmporas? Um período de jejum e penitência calculado numa relação entre as festas litúrgicas e as estações do ano.

Pretendo retornar ao tema em postagens futuras, agradeço ao leitor que acompanhou o texto até o final, você é top, forte abraço! 

domingo, 13 de junho de 2021

Conservadorismo e Idolatria


Conservadorismo... isso é tão 2013. O entusiasmo para essa bobagem parece ter passado dado ao desastroso mandato do atual presidente (escrevo esse texto em meados 2021, caro leitor do futuro, e o clima social é de grande decepção e raiva ante as tolices de Bolsonaro, sobretudo no que diz respeito a sua péssima gestão e boicote a medidas de combate a pandemia de covid-19) e, ao que tudo indica, veremos um retorno da esquerda marcusiana para castigar ainda mais este país impenitente. De todo modo a atitude - mais do que a ideologia - conservadora é uma constante na espécie humana e é sobre isso que quero me deter. Já que estamos transcendendo os limites de nosso onde e quando, trago aos senhores uma notícia da última década vinda da Malásia e de fora da grei da Igreja:

Um partido conservador islâmico da Malásia está exortando os homens muçulmanos a se casarem com mães solteiras como esposas adicionais ao invés de se casarem com “jovens virgens”, o um oficial do estado afirmou.

Wan Ubaidah Omar, uma ministra de gabinete do norte de Kelantan, no qual o partido controla, disse que a proposta levantada no parlamento do estado esta semana é necessária para ajudar mães solteiras e viúvas naquela região sub desenvolvida.

“Muçulmanos geralmente gostam de meninas novas ou virgens como esposas adicionais, então sugerimos que ao invés de escolheres estas jovens virgens, porque eles não se casam com mães solteiras como suas segundas ou terceiras esposas?” ela diz.

“Isto irá diminuir a carga em cima das mães solteiras pois assim os homens poderiam ajudá-las a tomarem conta das crianças. As mulheres solteiras não tem esta carga,” disse Wan Ubaidah, que está no comando dos assuntos das mulheres, família e saúde do estado.[1]

O episódio é ilustrativo e o fato de vir do Islã mostra que o conservadorismo não é apenas um problema cristão. Consegue notar a lógica por trás do ocorrido? A mentalidade idólatra do conservadorismo? Pois explico: o que caracteriza o conservadorismo é o culto unilateral a sociedade, e mais especificamente ao status quo, o conservador é o melhor amigo da sociedade, e faz de tudo para defender a perpetuação do presente e para tal exige dos cidadãos uma grande dose de heroísmo e auto sacrifício. Mas, ele jamais se pergunta sobre a legitimidade de tal sociedade, se o modelo que ele quer conservar é de fato digno de ser conservado ou se aqueles de quem ele exige sacrifícios em prol de um ''bem maior'' de fato consideram aquilo um bem ante o qual valha a pena se sacrificar. Na notícia em questão, o partido conservador maometano da Malásia quer que os homens transformem o casamento em uma espécie de programa social, que ele seja motivado não por questões amorosas ou religiosas, não por preferências pessoais, mas para desafogar o Estado e remediar a sociedade. Vemos uma atitude semelhante em muitos cristãos em um discurso casamenteiro e fatalista exacerbado tendo em vista não a Deus, mas antes o "salvar a civilização ocidental'', há, incluso análogos japoneses em uma revolta constante contra o que eles denominam de uma geração de jovens parasitas que não querem cumprir seus ''deveres sociais'' (mas sobre isso, pretendo escrever em outra ocasião).

O conservador, pois, sofre daquilo que Kaczynski chama de sobressocialização; é um ser tão imerso no coletivo, que já não mais é capaz de pensar em termos de ''eu'', mas sempre em um ''nós''. Tanto que sua crave moral gira em torno da ridícula discussão entre ''altruísmo'' e ''egoísmo''. Também é igualmente ridícula a oposição destes (conservadores) ao liberalismo que se dá pelos motivos errados, não porque os liberais violariam os mandamentos divinos com requisições de uma liberdade exacerbada, mas antes porque seriam ''egoístas'' e pouco engajados no coletivo.

É certo que não raro o ''eu'' pode se transformar em um ídolo, mas substitui-lo por um ''nós'' não resolve o problema, na verdade até piora. Só a Deus devemos oferecer nossos sacrifícios e é na medida que a Ele se submete que a sociedade adquire sua dignidade, tanto mais se esta d'Ele se afasta os apelos daquela  pelo heroísmo de seus membros se tornam vazios. Se o leitor quer sacrificar sua vida em prol da colmeia, se acredita que suas decisões mais íntimas como se vira a se casar e com quem o fará, como vai adquirir sua renda, e como vai empregar seu tempo livre devem ser feitas pensando no bem social, que siga seu caminho (e case com uma mãe solteira, trabalhando para criar o filho dos outros). Mas, eu e minha casa serviremos ao Senhor. E naquilo que o Senhor não define como mandamento, seguirei o que julgo que é melhor para mim e os meus, e não há nada de errado com isto.