sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

Ester e Herodíades


4ª Semana Comum | Sexta-feira
Primeira Leitura (Eclo 47,2-13)
Responsório (Sl 17)
Evangelho (Mc 6,14-29)

A cena do Evangelho de hoje é muito semelhante a outra ocorrida séculos antes, narrada no livro de Ester. Uma linda moça encantara a um certo rei e este, em um momento de êxtase romântico, lhe deu o direito de fazer uso de seu poder, ainda que por um breve instante. Até as utilizadas pelo rei são as idênticas: pede-me o que quiseres e eu te darei, ainda que seja a metade do meu reino... Mas, após isso a história toma rumos diferentes, justamente por culpa da mulher. A moça da primeira história, Ester, era uma mulher de valor, uma moça virtuosa que usa de sua beleza e influência sobre o rei para conseguir a liberdade para o povo de Israel. A segunda moça, a filha de Herodíades, não possuía virtude e, manipulada por sua mãe (outra vagabunda) , pede a cabeça de São João Batista. Até então Herodes estava relutante... Não, ele não era um homem bom, mas ainda não tinha dado o passo final em direção ao abismo, ele foi empurrando para lá pela mulher.

A influência feminina sobre o homem é, pois, uma certeza (salvo se tratar de um celibatário), todavia o caráter da mulher que exerce tal influência é determinante entre o céu e o inferno, entre a salvação do povo e a morte do profeta. Existem santas e existem vagabundas, Ester e Herodíades... Quiçá o homem saiba discernir, antes que seja tarde demais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário